Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Francisco Arias Fernández (Resumen Latinoamericano) [1]

Mais de 45 milhões de pessoas hoje vivem em condições de “escravidão moderna”, servindo em embarcações de pesca devido a dívidas, sujeitas a casamentos forçados, detidas contra a vontade, como empregados domésticos ou presos em prostíbulos sob ameaça de violência.

 

 

esclavitud-605x400.jpg

 

É assim que as mídias e entidades internacionais descrevem um grupo de pessoas submetidas a formas de escravidão, das quais milhões de seres humanos são vítimas em todos os pontos cardeais do planeta no século XXI.

 

Mais de 45 milhões de pessoas hoje vivem em condições de “escravidão moderna”, servindo em embarcações de pesca devido a dívidas, sujeitas a casamentos forçados, detidas contra a vontade, como empregados domésticos ou presos em prostíbulos sob ameaça de violência.

 

O Global Slavery Index 2016, publicado anualmente pela organização Walk Free Foundation, na Austrália, define a escravidão como uma “situação de exploração a que uma pessoa não pode recusar devido a ameaças, violência, coerção, abuso de poder ou manipulação”.

 

Embora quase todos os países tenham declarado a escravidão ilegal, ela continua a existir e na Ásia há quase 35% de vítimas.

 

De acordo com um relatório da BBC News, grupos de direitos humanos afirmam que milhares de pessoas são obrigadas a trabalhar em barcos de pesca, onde podem ficar por anos sem mesmo poder ver a costa.

 

Muitas vítimas afirmam que foram enganadas por intermediários que lhes prometeram empregos em uma fábrica e depois os levaram para barcos de pesca nos quais foram forçados a trabalhar. Um birmanês que escapou de seus traficantes indicou que ele foi forçado a embarcar em um pequeno navio no mar aberto, onde ele tinha que pescar 20 horas por dia sem receber um pagamento.

 

“As pessoas disseram que quem tentou escapar teve as pernas ou as mãos quebradas, foi jogado ao mar ou morto”, disse ele à BBC.

 

Outra modalidade é trabalho forçado em fábricas de maconha e salões de manicure. Os números sugerem que poderia haver entre 10.000 e 13.000 vítimas da escravidão no Reino Unido, provenientes de vários países da Europa Oriental, África e Ásia, incluindo crianças. Muitas vítimas são informadas de que suas famílias serão feridas se tentarem fugir.

 

Uma vítima tinha 16 anos quando chegou no Reino Unido na esperança de ganhar dinheiro para enviar a sua família. Em vez disso, ela foi forçada a trabalhar em uma “fábrica” ​​de maconha, uma casa onde grandes quantidades de plantas são cultivadas.

 

“Lembro-me de perguntar ao homem que me levou lá se podia sair porque não gostava dele, mas ele ameaçou me vencer ou me deixar morrer de fome”, disse a vítima. O jovem foi preso quando a polícia invadiu a casa e acabou sendo acusado de crimes relacionados a drogas.

 

Enquanto isso, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que existem cerca de 4,5 milhões de vítimas de exploração sexual forçada no mundo.

 

Shandra Woworuntu, uma ativista contra o tráfico de seres humanos, foi forçada à escravidão sexual nos Estados Unidos, em 2001. A mulher deixou a Indonésia, com a promessa de trabalhar na indústria hoteleira daquele país, mas os intermediários que a receberam no aeroporto a entregaram aos traficantes armados, que a forçaram a realizar o trabalho sexual.

 

“Eles me disseram que eu devia US $ 30.000 e que eu pagaria a dívida com 100 cada vez que eu servisse a um homem”, denunciou. Finalmente ela conseguiu escapar e ajudou a localizar um bordel onde havia outras vítimas de tráfico.

 

Muitas crianças na Europa, Ásia, África, América Latina e Oriente Médio são forçadas por criminosos a pedir esmolas nas ruas. Uma vítima disse aos investigadores: “Mesmo que eu consiga esmolas, eles não me pagam nada. Eu tenho que dar-lhes tudo o que eu ganho. Eles me privam de comida e não consigo dormir bem. Eles não me pagam salário, isso é apenas servidão”.

 

Outra vítima diz: “Não posso te dizer nada porque tenho medo constante. Meu empregador me ameaçou; se seu disser algo a alguém, ele me punirá de maneira severa”.

 

A análise da Fundação Walk Free estima que 2,16 milhões de pessoas nos países das Américas estão em condições de escravidão moderna, associada ao comércio e exploração sexual, trabalho forçado em plantações de cana, tomate, arroz, fazendas, fábricas, varejo e no setor de construção.

 

Outra nova forma de escravidão é a “au pair”: pessoas – principalmente mulheres jovens – que viajam para um país diferente do seu para ajudar uma família cuidando de seus filhos. Em troca dessa ajuda, eles recebem alojamento, comida e algum dinheiro.

 

É uma prática comum na Europa e nos Estados Unidos. Mas, em alguns casos, a falta de legislação sobre o assunto levou a que essa ocupação se tornasse uma forma de “escravidão moderna”, segundo alguns especialistas.

 

A palavra “au pair” significa “em par” ou “igual a” e refere-se ao fato de que “au pairs” são tratados como um membro da família, mas um acadêmico especializado no emprego dessas pessoas no Reino Unido denuncia que a maneira como eles são recrutados e tratados parece típico do “Oeste Selvagem”. Além disso, muitos relataram maus tratos e abusos trabalhistas – que fazem fronteira com a escravidão – por famílias de acolhimento.

 

Embora não haja números oficiais, nota-se que pode haver cerca de 100 000 “au pair” apenas no Reino Unido, 75% dos quais moram em Londres.

 

O relatório aponta que uma grande parte da escravidão moderna não é visível para o público. É realizada em lares e fazendas privadas.

 

No entanto, à luz do sol, emerge outra tragédia global que é o tráfico de pessoas que são vítimas de milhões de seres humanos no mundo. A própria BBC reproduziu recentemente o testemunho de um jovem africano que, tentando chegar à Europa, foi vendido três vezes aos traficantes de escravos.

 

Harun Ahmed é um dos milhares de jovens etíopes que, nos últimos anos, viajaram pelo Sahara para a Líbia, e daí para a Europa, em busca de uma vida melhor. Ele finalmente chegou na Alemanha, mas só depois de sobreviver após meses de tortura e fome nas mãos de três traficantes de escravos que compraram e vendiam migrantes como se fossem gado.

 

Fonte: Cubadebate

 

Notas

[1] Manteve-se a variante do português do Brasil – NE.

Publicado em 2017/12/21 em https://pcb.org.br/portal2/18079/a-escravidao-moderna

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temáticas:



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.