Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A Venezuela enfrenta desde o surgimento da Revolução Bolivariana, em 1999, planos golpistas e de desestabilização constantes. Esta estratégia se intensificou desde abril, quando setores extremistas da oposição colocaram novamente em desenvolvimento um plano para derrubar o governo do presidente Nicolás Maduro.

 

 

Caracas, 24 jul. AVN. – O diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), Michael Richard Pompeo, revelou que recentemente manteve reuniões na Colômbia e México para avaliar as manobras a aplicar a partir destas nações para “conseguir um melhor resultado” na Venezuela.

 

“Estamos muito otimistas de que pode haver uma transição na Venezuela, e nós estamos fazendo o melhor para entender a dinâmica lá (na Venezuela) para que possamos comunicar isso a nosso Departamento de Estado, e a outros, como os colombianos”, disse em uma entrevista, no dia 20 de julho, com a presidenta da empresa de investigação Asymmetrica, Vanessa Neumann.

 

“Acabo de estar na Cidade do México e em Bogotá, na semana retrasada, falando deste tema precisamente, ajudando a entender o que poderiam fazer para conseguir um melhor resultado”, admitiu Pompeo, nesta entrevista realizada no Fórum de Segurança de Aspen, no estado do Colorado, nos Estados Unidos.

 

A Venezuela enfrenta desde o surgimento da Revolução Bolivariana, em 1999, planos golpistas e de desestabilização constantes. Esta estratégia se intensificou desde abril, quando setores extremistas da oposição colocaram novamente em desenvolvimento um plano para derrubar o governo do presidente Nicolás Maduro.

 

Apesar de que estas ações foram mantidas desde 1999, durante todo o governo do Presidente Hugo Chávez, agora o plano contempla como nunca antes ações de caráter fascista e terroristas.

 

Mais de 70 pessoas foram assassinadas e mais de 1.400 feridas. Destacam-se os casos de pessoas linchadas e queimadas vivas por serem apontadas como “chavistas”.

 

O governo do presidente Maduro insistiu na necessidade de resolver as diferenças pela via do diálogo, mas a resposta tem sido negativa por parte dos dirigentes da oposição, estimulados por agentes externos. Nicolás Maduro convocou uma Assembleia Nacional Constituinte (ANC), como espaço para o diálogo nacional pela paz e estabilidade nacional.

 

Os integrantes da Assembleia Constituinte serão escolhidos na eleição universal, direta e secreta no próximo domingo 30 de julho. Os setores extremistas na Venezuela ameaçam impedir a votação aumentando as ações violentas realizadas até agora.

 

Assim também pretendem intensificar o lobby internacional contra o governo da Venezuela, o que pode ser visto nas palavras de Pompeo.

 

“Cada vez que tem um país tão grande, e com a capacidade econômica de um país como a Venezuela, os Estados Unidos têm profundos intereses” e para isso — disse — visa “garantir a democracia”, lema em que setores extremistas da oposição venezuelana baseiam suas ações golpistas.

 

NOTAS:

[1] Mantém-se a variante do português do Brasil. - NE

 

Fonte: publicado em 2017/07/24, em http://www.avn.info.ve/contenido/cia-admite-que-plano-golpista-contra-venezuela-tem-cumplicidade-da-col%C3%B4mbia-e-m%C3%A9xico

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.