Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gregory Elich*

 

Os meses pela frente parecem negros. A menos que a China e a Rússia possam encontrar um meio de se oporem aos desígnios dos EUA sem se tornarem alvos eles próprios, o povo norte-coreano ficará sozinho e arcará o fardo da malícia de Trump. Diz algo do seu carácter o facto de se recusarem a ser intimidados.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Partido do Trabalho da Coreia

Os EUA têm recusado as medidas pró-ativas da RPDC para aliviar a tensão extrema e atuaram com imprudência. É uma outra lição aprendida pela RPDC, de que só com ações – e não com palavras educadas – se pode falar com os EUA.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

O desenvolvimento da mobilização demonstra que importantes setores populares relacionam claramente a política de guerra do Estado espanhol e das coligações e organizações imperialistas em que participa – como a NATO e a União Europeia – com o fenómeno do terrorismo jihadista.

 

 

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Coreia do Norte tem oferecido repetidamente a suspensão do seu desenvolvimento de armas nucleares em troca de um congelamento dos exercícios conjuntos de guerra dos EUA-Coreia do Sul. Está na hora de os EUA e a Coreia do Sul responderem a esta oferta, como um ponto de partida para negociações definitivas, visando uma península coreana pacífica, soberana, livre de armas nucleares e de conflitos de competição entre potências globais, que tão prejudiciais têm sido para a região.

 

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ramzy Baroud *

 

De facto, houve esse movimento eufórico em Israel, quando a administração Trump atacou a Síria. Mas a natureza limitada da luta deixou claro que os EUA não tinham planos para uma mobilização militar maciça similar à do Iraque, em 2003.

A excitação inicial foi eventualmente substituída pelo cinismo, como o expressado por este título no Monitor: “Netanyahu avisa Trump sobre a Síria”.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Partido Comunista da Grécia (KKE)

 

Durante a discussão, Dimitris Koutsoumpas, Secretário-geral do CC do KKE, realçou que a questão de Chipre é um problema internacional de invasão e ocupação da parte norte de Chipre pela Turquia. É um problema que traz o carimbo da intervenção da NATO, dos planos gerais imperialistas para a região.

 

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gregory Elich*

 

Tradução do inglês de TAM e PAT

 

Os norte-coreanos registaram a experiência da Jugoslávia, do Iraque e da Líbia e chegaram à conclusão de que uma pequena nação que confia apenas em armas convencionais não tem chance de impedir o ataque dos Estados Unidos. A Coreia do Norte diz que o seu programa nuclear “é uma medida legítima e justa de autodefesa, para proteger a soberania e o direito à existência” da nação. […] Para os Estados Unidos, é um princípio fundamental da sua política externa ter a possibilidade de atacar qualquer nação à sua escolha e que nenhum país possa ter meios de se defender. […] …se a Coreia do Norte conseguir estabelecer um dissuasor nuclear efetivo, então isso poderia ter sérias implicações geopolíticas para a política dos EUA, já que outras nações-alvo podem seguir o exemplo da Coreia do Norte para garantir a sua sobrevivência.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Partido Comunista da Grécia (KKE)

 

“Nem terra nem água para os assassinos do povo”, desvinculação imediata do país de intervenções e guerras imperialistas, encerramento da base de Suda e de outras bases e centros de comando dos EUA-NATO, retorno das forças militares gregas das missões no exterior, a completa desvinculação do nosso país da NATO e de outras organizações imperialistas.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mike Whitney

Tradução do inglês de TAM e PAT

 

Os Estados Unidos não vão lançar um ataque preventivo na Coreia do Norte. ... O brandir das armas é apenas uma tentativa de desviar as atenções da fronteira Síria-Jordânia onde os EUA e a Jordânia estão a concentrar tropas e equipamento para uma invasão da Síria. É isto que realmente se está a passar. O fiasco coreano é uma cortina de fumo.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marco Aurélio Cabral Pinto

 

Com os mísseis, D. Trump reconquista a opinião pública norte-americana, na mesma medida em que ganha tempo para negociar, com Putin e demais líderes, uma saída que aponte para aumento de investimentos, emprego e renda na região.

 

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)


Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.