Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Federação Sindical Mundial (FSM)

28 mar 2020

Sabemos que, face ao surto da pandemia, onde os trabalhadores mundiais estão na linha da frente do perigo e os seus direitos laborais são brutalmente violados, os trabalhadores palestinos têm de lidar com a repressão da ocupação e os ataques de Israel, bem como com o racista e desumano comportamento dos patrões israelitas nos locais de trabalho.

Sem Título (15).jpg

A Federação Sindical Mundial, em nome de seus 100 milhões de membros que vivem e lutam em 132 países de todo o mundo, expressa a sua solidariedade internacionalista com as nossas irmãs e os nossos irmãos trabalhadores palestinos, que enfrentam o perigo da pandemia da COVID-19 e os ataques contra as suas vidas e direitos laborais do Estado de Israel e do patronato.

Duzentos mil (200.000) trabalhadores palestinos labutam no mercado de trabalho israelita e estima-se que 70.000-100.000 foram obrigados a parar de trabalhar porque Israel encerrou diversos setores, como medida de proteção contra o Coronavírus, sem salário e segurança social e enfrentando graves violações dos seus direitos laborais.

Cem mil (100.000) palestinos estão a trabalhar dentro da Linha Verde, metade deles em quarentena, que voltam para casa sem as necessárias verificações de diagnóstico nos postos de controle, apesar de milhares de casos de coronavírus estarem a ser registados em Israel.

Os restantes ficam dentro da Linha Verde, passando a noite nos seus locais de trabalho, em condições miseráveis ​​que não garantem qualquer medida de proteção da sua saúde e vida.

A FSM, movimento sindical mundial de classe, condena veementemente esta atitude criminosa de Israel, contra o direito dos trabalhadores palestinos a trabalharem e a deslocarem-se em segurança e com dignidade. O Estado de Israel aproveita a necessidade de trabalhar dentro da Linha Verde dos trabalhadores palestinos, deixando-os expostos ao Coronavírus, sem seguro e assistência médica, sem compensação no final do seu serviço e fazendo despedimentos arbitrários.

Exigimos respeito pela sua saúde e direitos laborais e um adequado apoio financeiro para os trabalhadores palestinos que não estão a trabalhar por causa das medidas para limitar a propagação da pandemia.

Também é necessário melhorar os centros de saúde públicos e gratuitos e os testes de diagnóstico para todos os trabalhadores expostos ao COVID-19 nos seus locais de trabalho.

As organizações filiadas na FSM apelam à Autoridade Palestina para tomar todas as medidas necessárias para proteger a saúde desses trabalhadores e apoiá-los financeiramente.

Relevamos a ação das organizações filiadas na FSM que apelam à criação de um fundo especial de apoio aos trabalhadores desempregados, bem como à inspeção da observância dos direitos dos trabalhadores dentro da Linha Verde, conforme previsto em convenções internacionais.

A liderança sindical burocrática da PGFTU [1], que recebe grandes quantidades de dinheiro das deduções que Israel faz nos salários dos trabalhadores palestinos, também tem uma séria responsabilidade e apelamos a que entregue imediatamente esse dinheiro aos trabalhadores. Esse dinheiro é dos trabalhadores. É o seu dinheiro.

Sabemos que, face ao surto da pandemia, onde os trabalhadores mundiais estão na linha da frente do perigo e os seus direitos laborais são brutalmente violados, os trabalhadores palestinos têm de lidar com a repressão da ocupação e os ataques de Israel, bem como com o racista e desumano comportamento dos patrões israelitas nos locais de trabalho.

Durante a Campanha Internacional de apoio ao Povo da Palestina, lançada pela FSM, em fevereiro de 2020, e abraçada por sindicatos de todo o mundo, contra o novo plano de Trump, mais uma vez nos mantivemos solidários com eles e exigimos a sua proteção, o respeito pelos seus direitos laborais, a continuação da luta pelo estado independente da Palestina nas fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital.

O Secretariado

[1] PGFTU –  sigla em inglês de Palestinian General Federation of Trade Unions [Federação Geral de Sindicatos da Palestina]. – NT

Fonte: http://www.wftucentral.org/the-wftu-denounces-the-crimes-against-palestinian-workers-in-israels-labor-market/, colocado e acedido em 2020/03/28

Tradução do inglês de MFO

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.