Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Marcelo M. Suárez-Orozco – Nancy Scheper-Hughes *

1 de Abril de 2019

[O presente texto é uma versão adaptada da tradução automática do original publicado em Counter Punch a 1 de abril de 2019. Depois de descarregada a tradução, não foi possível aceder ao original inglês que desapareceu completamente da rede. – NE]

A mesma retórica contra migrantes adultos usando os seus filhos “como escudos humanos” tem sido usada pela administração Trump, fazendo-se eco  das palavras de um ditador terrorista latino-americano, que foi finalmente condenado por graves atentados contra os direitos humanos e crimes contra a humanidade.

 

Sem Título (30).jpg

Fotografia por Nathaniel St. Clair

 

Essas não são pessoas. São animais.

- Donald Trump, 17 de maio de 2018

 

O Presidente Trump está certo de uma coisa: há uma emergência; na verdade, chamamos a isso  uma catástrofe humanitária na fronteira sul dos EUA [1]. É também uma catástrofe demográfica, política e moral. No entanto, as caóticas “soluções” criadas por ex-Procuradores Gerais e abraçadas pela ICE [Agência de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE)] e pela Homeland Security [Agência de Segurança dos EUA – NT] trouxeram-nos  cada vez mais  profundamente à impensável “Grey Zone” de Primo Levi [Nome de um dos capítulos de um livro de Primo Levi, judeu sobrevivente do Holocausto que descreve a realidade dos crimes nazis].  Nove meses depois  de um juiz federal ter ordenado ao governo Trump que reunisse milhares de crianças imigrantes tiradas aos seus pais na fronteira, o paradeiro de milhares delas continua sem solução. Cerca de 15.000 crianças migrantes estão detidas pelo governo. Esse número está a crescer todos os dias, já que o número de famílias migrantes que cruzam a fronteira do sul atingiu,  em fevereiro, o número mais alto dos últimos 11 anos, com “entradas não autorizadas quase o dobro do que eram há um ano[2]. Os dados mais recentes da Patrulha da Fronteira mostram que 76.103 migrantes foram presos na fronteira – mais dois terços do que no mês anterior [3]. Estavam em viagem mais de 40.000 famílias.  Crianças e recém-nascidos continuam a ser tirados aos seus pais mesmo quando o governo alega ter retirado a ordem de separar à força famílias migrantes [4].

Os menores desaparecidos da América, alguns deles ainda de fraldas, chorando desconsoladamente, implorando e gritando pelas suas mães, molhando as suas camas, ficaram tão traumatizados que  deixarem de falar com os seus cuidadores fornecidos pelo governo. Essas crianças órfãs de mãe começaram a desistir e  a mover-se dentro de si mesmas, eventualmente acomodando-se a um mundo novo e cruel, desprovidas de ternura e abandonadas a estranhos que não tinham permissão de lhes tocar, para não serem acusados de agressão física ou sexual. Meses depois, ficámos a saber que muitas dessas crianças desaparecidas nunca mais se reunirão com os seus pais. É possível que algumas dessas crianças separadas preencham o vazio de amáveis famílias americanas que procuram adotá-las. Os Estados têm leis diferentes sobre assistência social e sobre adoção.

O caos das separações  de pais e filhos, os registos que faltam, os pais desaparecidos e as crianças desaparecidas, fazem ecoar outros traumas históricos da história da infância nos Estados Unidos: a escravidão africana, por exemplo, internatos indígenas do governo dos EUA. A lógica subjacente a essas políticas governamentais é que os pais brancos, ricos e de classe média são considerados mais capazes, mais inteligentes e mais dignos do que os pais das crianças migrantes, que arriscaram as suas vidas para proteger os seus filhos. Aqui está a base de uma guerra suja contra migrantes latinos, que fogem da violência e da pobreza extrema para arriscar as suas vidas e salvar os seus filhos.

Esses eventos trazem à mente aspetos da Guerra Suja da Argentina durante a ditadura militar, quando pais e seus filhos, incluindo crianças, foram confiscados  a supostos “radicais” que foram presos e interrogados (às vezes até à morte) como inimigos  externos da ordem neofascista. Durante a Guerra Suja (1976-1983), cerca de 500 bebés e crianças foram separados dos seus pais e entregues a famílias de militares de direita e seus amigos que, poderiam criá-los como bons fascistas cristãos. Quando a democracia  voltou ao país, em 1984, as avós biológicas, lideradas pelas famosas Avós da Praça de Maio, em Buenos Aires,  procuraram a ajuda da professora Mary-Clare King, geneticista da UC Berkeley (hoje na Universidade de Washington, Seattle) para  criar uma lista de avós e aplicar o ADN correspondente para os reunir com os seus netos.

O uso do  ADN para identificar as crianças argentinas que haviam sido separadas muitos anos antes pelo terrorismo patrocinado pelo Estado da Argentina e devolvidos aos seus pais e avós naturais é uma reminiscência da tentativa frustrada do governo Trump de cumprir a ordem de um juiz federal: reunir milhares de crianças e adolescentes filhas de pais que haviam sido separados à força  depois de terem cruzado a fronteira em busca de asilo. A administração foi forçada a admitir que não tinha registos para ligar várias centenas de crianças que tinham sido separadas dos seus pais. Alex Azar, Secretário da Saúde e Serviços Humanos dos EUA, propôs usar ADN para combinar as crianças separadas com seus pais. Mas, nessa época, os pais de cerca de 200 crianças separadas já  tinham sido deportados para a América Central. O desvio de ADN foi um desvio que levou a nada mais do que o "Uau!", Exclamou o Dr.  […?] muitos americanos comuns que se inscreveram para ajudar nas reunificações do ADN [5].

A Guerra Suja argentina é um exemplo extremo, mas começou com uma declaração de estado de emergência, em novembro de 1974, pela senhora Perón, que liderava um governo civil assediado pela inflação desenfreada, a corrupção e a violência de estudantes universitários, sindicatos e setores de esquerda. Ela deu carta branca aos militares  e o general Videla respondeu com o seu Processo, a que os dissidentes  deram o nome de Guerra Suja. A maioria das pessoas desaparecidas e mortas pelo estado militar eram jovens. A Guerra Suja foi principalmente uma guerra contra jovens e jovens adultos dissidentes e ativistas que não eram vistos como cidadãos, mas como “estrangeiros” perigosos. A palavra “animais” também lhes foi aplicada.

Enquanto os Estados Unidos não estão em perigo iminente de se tornar uma ditadura, as tendências totalitárias de um presidente cada vez mais autoritário são preocupantes. A guerra suja dos EUA não é uma guerra contra inimigos internos, como na Argentina, mas uma guerra suja contra migrantes e refugiados que procuram asilo nos Estados Unidos. A tentativa do presidente de declarar o estado de emergência na fronteira sul dos EUA é política e moralmente perversa.

A verdadeira emergência é do outro lado da fronteira sul, as migrações em massa de desesperados requerentes de asilo, provenientes principalmente do Triângulo Norte – El Salvador, Guatemala e Honduras –, que estão a fugir de taxas astronómicas de homicídios, instabilidade política e económica. Esta situação não surge do nada. É o legado de décadas de intervenção e exploração norte-americana do que costumava ser chamado república das bananas, dirigida por ditadores implacáveis, apoiados pela política externa dos EUA, desde meados do século XX. O resultado foi  motins, massacres e genocídios, “pequenas guerras e genocídios invisíveis[6].

A verdadeira emergência são as miseráveis mortes no deserto de milhares de migrantes latinos, forçados a assumir riscos extremos para escapar da pobreza, violência e terror nos seus países. Alguns migrantes enviaram os seus filhos mais velhos sozinhos, rezando para que os Estados Unidos ainda sejam a terra de braços abertos, mas os braços que os receberam carregavam espingardas militares automáticas nas fronteiras. Na fronteira sul, foi escavada uma arqueologia da miséria e da morte.

Deixados para trás estão os restos de mochilas, fragmentos de cartas, fotos, Bíblias. Os restos humanos estão espalhados pelo terreno. Ao lado de ossos humanos queimados pelo sol, há pedaços de roupa, um par de calções sujos, uma camiseta em farrapos, uma sandália, descoberta e recolhida por antropólogos forenses. Graças ao seu trabalho medonho, sabemos que os chamados terroristas e  violadores do imaginário de Trump morreram de sede, de insolação, de hipotermia, de picadas de cascavel, de urubus que atacam os corpos moribundos.

As mortes desoladas e silenciosas na fronteira são fabricadas por uma política de imigração de dissuasão pela morte, uma abordagem bárbara que propositadamente empurra migrantes cada vez mais desesperados a atravessar as áreas mais restritas de perigo extremo e alto risco. Durante duas décadas, essa política transformou o terreno acidentado do sul do Arizona e do Texas num campo mortal. É uma adaptação do século XXI do romano damnatio ad bestias (“condenação às feras”), uma forma de pena capital na qual o condenado era executado por animais selvagens. A “estratégia de dissuasão” dos EUA para tornar a fronteira intransitável foi esboçada pela primeira vez  num documento de planeamento de julho de 1994 chamado: “Plano Estratégico de Patrulhamento de Fronteiras: 1994 e seguintes” [7]. Esses documentos são devastadores e constituem aquilo a que a Agência das Nações Unidas para as Drogas e o Crime (UNODC) declararia como um crime contra a humanidade.

Um muro mais longo na fronteira sul com o México é a resposta de ontem ao problema de ontem. Em 2017, a população indocumentada vinda do México caiu em 400.000, pela primeira vez no último meio século. Os migrantes mexicanos constituem menos de metade de todos os imigrantes indocumentados nos Estados Unidos [8]. Nos últimos sete anos, entraram mais pessoas sem documentos nos Estados Unidos – à razão de quase dois para um – via avião e outros portos de entrada legítimos, do que como “entradas sem inspeção”, ou cruzando a fronteira clandestinamente.

Como a migração transfronteiriça do México diminuiu em 2012, os centro-americanos começaram o seu êxodo para os Estados Unidos. De 2016 a 2018, o número de famílias de Honduras e Guatemala detetadas na fronteira sul quase  duplicou. As unidades familiares da Guatemala  passaram de 23.067 para 50.401 e as das Honduras  de 20.226 para 39.439,  durante o mesmo período. A migração de El Salvador triplicou entre 2013 e 2016, com mais de 27.000 unidades familiares e 17.500 crianças desacompanhadas intercetadas na fronteira sul dos EUA em 2016. No geral, o número de famílias que procuravam refúgio aumentou novamente, tendo os agentes  da Patrulha da Fronteira detido 136.150 crianças e pais durante os primeiros cinco meses deste ano fiscal “em comparação com 107.212 durante todo o ano fiscal de 2018[9].

Há muitas razões para a rápida expansão do movimento dos migrantes que fogem do triângulo setentrional da América Central – Guatemala, El Salvador e Honduras. Na Guatemala, a fonte mais recente dos que cruzam a fronteira, a exploração ambiental e os confrontos pela posse de terra nos planaltos ocidentais geram violência. Além disso, os preços baixos nos mercados globais de produtos guatemaltecos estão a encaminhar os agricultores para o norte. As mudanças climáticas e a grave seca em El Salvador resultaram em insegurança alimentar para milhões, enquanto o desmatamento deixou as Honduras mais vulnerável aos furacões. O furacão Mitch deixou mais de 11 mil mortos e deslocou mais de 2,5 milhões de hondurenhos em 1998, antes  de os governos ou os média entenderem os perigos do aquecimento global. De acordo com um estudo realizado pela Escola de Medicina da Brown University, quase meio milhão de adultos com quinze anos ou mais, que vivem  nas Honduras,  sofreram o transtorno de  stress pós-traumático,  depois da passagem do furacão Mitch. Foi então que os hondurenhos migraram pela primeira vez em números significativos para os Estados Unidos. Mas, acima de tudo, a guerra e o terror estão por detrás da catástrofe humanitária [10].

Os Estados Unidos têm uma longa história de envolvimento nas chamadas guerras sujas, no sul da fronteira. A  investigação de John Chatsworth enumera 41 ocasiões de mudança de regime liderada pelos Estados Unidos na América Latina e no Caribe, entre 1898 e 2004. Como Jeffrey Sachs observou “os derrubes violentos e extraconstitucionais de governos latino-americanos pelos Estados Unidos, através de uma variedade de meios, incluindo guerras, golpes, assassinatos, manipulação eleitoral, atos de provocação” levaram a uma gigantesca crise humanitária [11].

O terrorismo de Estado na América Central matou mais de 200.000 civis na Guatemala e mais de 75.000 em El Salvador, nas últimas décadas. Da mesma forma, o que está a impulsionar o ciclo mais recente de migrantes hondurenhos pela fronteira dos EUA é a consequência do violento golpe militar de 2009, que derrubou o presidente eleito democraticamente das Honduras, Manuel Zelaya. O golpe foi financiado pelo Departamento de Estado dos EUA [12].

Em cada um desses países, as instituições da sociedade – incluindo a escola, a saúde e o estado de direito – foram dizimados. Nenhuma das chamadas causas pendulares das migrações centro-americanas se pode comparar com as décadas de intermináveis guerras civis, guerras das drogas, esquadrões da morte e golpes militares, iniciados ou apoiados pelos Estados Unidos.

Como um jovem da América Central disse, “estamos aqui porque vocês estavam lá”.

A histeria fabricada pelo governo sobre terroristas, bandidos, violadores e viciados em drogas, que usam crianças pequenas como escudos humanos é um teatro cínico. No circo do sadismo, a nossa política de imigração tornou-se numa onda de migrantes desesperados atirados aos leões pela rapacidade insaciável dos inimigos profissionais.

Trump está certo – há uma crise, mas é uma crise humanitária na fronteira. Muralhas e  jaulas medievais são inimigas de uma resposta humanitária.

Tolerância Zero/Competência Zero/Transparência Zero

À medida que as famílias continuam a chegar à fronteira sul à procura de  misericórdia e abrigo, encontram o caos, a crueldade e a incompetência em nome da política de tolerância zero do governo. Na verdade, não havia nenhum plano, nenhum plano de ação e nenhum pensamento para a implementação da decisão da administração. A Tolerância Zero foi ideia do ex-procurador-geral Jeff Sessions, famoso por ser  chamado de “Dump Southerner [A lixeira do  sul]”  pelo seu chefe, o presidente Donald Trump. Os dois homens são ávidos praticantes do racismo, mas Trump vê-se como um capitalista corporativo global e sofisticado, enquanto Jeff Sessions nada mais é do que um “branquelas”, um sulista rabugento, que ainda sofre com a “noite em que eles dirigiram Dixie down” [Referência a um episódio da guerra da secessão em que tropas da América do norte foram cercados pelas do sul].

Sessions descreveu  os homens e mulheres que chegavam do outro lado da fronteira como estrangeiros inumanos,  posição que faz ecoar a sua fúria ao longo da vida no movimento pelos direitos civis dos nossos cidadãos afro-americanos. A afeição de Sessions à supremacia racial remonta aos anos em que foi procurador-geral do Alabama,  conhecido por humilhar os cidadãos negros tratando-os  por “meninos” e pela sua profunda hostilidade aos militantes dos direitos civis. Aperfeiçoou a arte de assediar os eleitores negros e supervisionou as execuções de pessoas mental e cognitivamente deficientes. Numa atitude de crueldade faraónica, Sessions alegou que os pais que fugiram para os EUA com seus filhos “não eram muito melhores que os contrabandistas que escondiam o contrabando”. “Se você contrabandear uma criança, nós processá-lo-emos”, disse ele. “Aquela criança será separada de  si conforme exigido por lei”.

Mas Sessions provavelmente era mais um jogador de dois bits – ele queria provar as suas medidas sugerindo um plano e não uma política coerente que ele sabia que ressoaria profundamente no cérebro reptiliano do seu chefe. Os gritos de guerra atávicos do presidente – animais invadindo o país – atingiram uma legião poderosa com os seus adoradores e seguidores do jingoísmo [Forma extrema de nacionalismo. O nome provém de uma canção britânica do tempo da guerra russo-turca de 1877-1878]. Ao desumanizar os mais pobres e mais vulneráveis entre nós, o Presidente revelou uma  falta total de compaixão, outrora um valor central americano (“Não, mas pela graça de Deus”). A compaixão zero do governo estava à vista de novo na sinistra semiótica. “Eu realmente não me importo”.  Esta expressão estava escrita num casaco da primeira-dama – não importava a quem fosse endereçado: ao presidente, aos média ou às crianças confiscadas e enjauladas. As suas tentativas de conversar com as crianças foram robóticas e banais. “Estou aqui para  conhecer as vossas instalações”, disse Melania Trump  num briefing sobre o trabalho de educação do Abrigo para Crianças da Nova Esperança. Perguntou aos diretores como poderia ela  “ajudar essas crianças a  reunirem-se às  suas famílias o mais rapidamente possível”. Rogelio De La Cerda Jr., diretor do programa do abrigo, disse à primeira-dama que não se preocupasse porque as crianças separadas estavam “num ambiente seguro, livre de abusos[13]. Não ouvimos mais nada sobre o tema da primeira-dama, que logo partiu para um safari africano – fazendo a transição, sem esforço, entre o acariciar crianças enjauladas  e animais enjaulados.

No verão passado, uma manchete do New York Times anunciou que “Estão a ser preparadas quatro bases militares para acolher 20 mil crianças”.Este é o fantasma ainda por chegar. As novas bases militares eram para uma nova geração de crianças migrantes, não para a “geração perdida” de crianças que nunca se poderão reunir com os seus pais e estão a ser mantidas  numa miscelânea de centros de detenção, prédios abandonados e cidades-tendas, enjauladas e sem livros para elas. A voz de Trump, Fox News, referia-se às jaulas como se fossem uma maneira normal de abrigar crianças. Os média de direita sugeriram que a “higiene” era a preocupação mais importante, e essa espécie de  jaulas permitia que os guardas usassem mangueiras para limpá-las. Entretanto, dezenas de migrantes, adultos e crianças, enfrentaram emergências médicas agudas. Para milhões de americanos, a confusão sobre a  detenção de crianças e jovens imigrantes numa espécie de  jaulas foi  muito barulho para nada.

As crianças em jaulas começaram a cheirar como todos os animais enjaulados: prova de que as nações do sul da fronteira estavam enviando o seu lixo. Enquanto isso, Trump, o famoso presidente da fobia em potência, lavou as mãos de qualquer responsabilidade.  Declarou: “Qualquer morte de crianças ou outros na fronteira é estritamente culpa dos democratas e das suas patéticas políticas de imigração, que permitem que as pessoas façam a longa jornada pensando que podem entrar no nosso país ilegalmente. Não podem. Se tivéssemos uma Muralha, nem sequer tentariam!”.

As palavras podem matar. O confisco de crianças, bebés e jovens é necessário, afirma a administração, para sua própria segurança. Os gritos aflitivos de bebés e crianças  a gritar pelas suas mães e pais mantiveram muitos americanos acordados durante a noite, mesmo quando  comentadores como Anne Coulter [Advogada, comentadora e escritora de extrema-direita] avisavam o presidente Trump para não se deixar enganar por crianças-atores. Em vez disso, somos informados de que essas crianças estão a ser cuidadas em abrigos “de tenra idade” antes de serem transferidas para lares de assistência social e, a partir daí, para famílias ansiosas por ressocializá-las como verdadeiros americanos.

Com o Zero Transparency, o demónio-nos-detalhes está a sair em detalhes lentos e angustiantes. Nos campos de imigrantes, a violação e o abuso sexual eram excessivos. Crianças e jovens foram algemados, agredidos e drogados com poderosos antipsicóticos e sedativos.De acordo com dados do Departamento de Saúde e Serviço Humanitário, “foram feitas 178  queixas contra o pessoal dos abrigos – em particular, os trabalhadores que cuidam dos jovens, que escoltam as crianças para onde quer que vão. As queixas vão desde relações românticas inapropriadas entre crianças e adultos, passando por genitais, até ver crianças a tomar banho”.

O uso intencional de crianças para punir os pais não é novo. Separar violentamente as crianças dos pais, enjaulando as crianças, abusando delas, zombando delas, colocando-as com famílias que simpatizam com o “regime”, são movimentos típicos de guerras sujas passadas e presentes.

Enquanto o espectro do fascismo – “os judeus não nos vão substituir” –,os picos nos crimes de ódio, o retorno do antissemitismo à luz do dia, foi corretamente registado, são as táticas do terrorismo de Estado aperfeiçoadas nas guerras sujas do sul da fronteira que mais se assemelham à atual guerra suja contra crianças imigrantes. O perigo que enfrentamos hoje nos Estados Unidos não é um holocausto, mas uma guerra suja como na Argentina, no Brasil e no Chile,  testada nos anos 1970-1980. Nós sabemos, porque ele no-lo  disse tantas vezes, que o presidente Trump admira a força e o poder, especialmente líderes que são homens machistas fortes. Poderíamos rir-nos disso, mas seria um erro terrível. O que está a acontecer diante de nossos olhos é uma democracia vulnerável que entra no estágio 4 de cancro à medida que avançamos progressivamente em direção a uma ditadura  eleita,  não por um golpe de Estado.

Na nossa fronteira sul, estamos a ultrapassar  a uma velocidade vertiginosa as táticas terroristas da Guerra Suja Argentina. Em 24 de novembro de 1976, oito meses depois  de uma junta militar ter assumido o poder na Argentina, o lançamento da Guerra Suja introduziu o termo “os desaparecidos” no resto do mundo. Durante o Processo de Reorganização Nacional – o nome tonitruante da junta para o período de seu governo, de 1976 a 1983, cerca de trinta mil pessoas, a maioria jovens argentinos, foram separadas das suas famílias, mantidas em campos de detenção, torturadas e feitas desaparecer.

O governo justificou as suas táticas como parte de uma guerra contra uma insurreição revolucionária travada por “terroristas subversivos”, embora o primeiro líder da junta, o general Jorge Rafael Videla, definisse um “terrorista” como “uma pessoa cujas ideias são contrárias à civilização cristã ocidental”.

Aproximadamente trinta por cento dos desaparecidos eram mulheres. Algumas foram sequestrados com os seus filhos pequenos. Em talvez três por cento dos raptos as mulheres estavam grávidas, ou ficaram assim durante a detenção, geralmente por  violação de guardas e torturadores. Prisioneiras grávidas foram mantidas vivas até ao parto. “A depravação do regime atingiu o seu limite máximo com as grávidas detidas”, escreveu Marguerite Feitlowitz, então professora de Harvard,  no seu estudo inovador sobre o pesadelo argentino The Lexicon of Terror.  Feitlowitz  diz que um ex-detido  afirmou: “Os nossos corpos eram uma fonte de fascínio especial. Disseram que os meus mamilos inchados convidavam o 'cutucão' ”- o bastão de gado elétrico, usado  na tortura. “Eles apresentavam uma combinação realmente doentia – a curiosidade de meninos e a excitação intensa de homens  depravados”. Às vezes as mães conseguiam  amamentar os seus recém-nascidos, pelo menos esporadicamente, por alguns dias, ou mesmo semanas, antes de os bebés serem levados e as mães “transferidas” – enviadas para a morte – na notória nomenclatura da Guerra Suja.

Os roubos de bebés surgiram, em parte, do conluio dos militares com setores retrógrados da Igreja Católica, que deram a sua bênção às transferências de “terroristas”, mas não ao assassinato de bebés ou crianças que ainda não nasceram. As crianças – seja na guerra suja ou nos nossos campos de detenção, inspiram sempre fantasias totalitárias de moldar os cidadãos do futuro. A junta queria definir e criar “autênticos argentinos”. Os filhos de “terroristas” foram vistos, explicou Feitlowitz, como “sementes da árvore do mal”. Talvez através da adoção essas sementes pudessem ser replantadas em solo saudável. Os casos de roubo de bebés proporcionaram uma pequena brecha nas leis da amnistia: os pais que foram julgados como culpados por terem adotado – ou “se terem apropriado” – dos filhos dos desaparecidos, sabendo a verdade sobre a sua origem, poderiam ser processados.

Até à sua morte, o general Videla defendeu o sequestro de jovens dissidentes e o confisco dos seus bebés e crianças pequenas. Ele explicou: “Não havia outra alternativa [para os desaparecimentos] ... Era necessário eliminar um grande grupo de pessoas que não podiam ser levadas à justiça nem serem [abertamente] baleadas também”. “As mulheres que dão à luz, que eu respeito como mães, eram militantes que estavam ativas na máquina do terror ... Muitas usavam os seus filhos não-nascidos como escudos humanos”.

A mesma retórica contra migrantes adultos usando os seus filhos “como escudos humanos” tem sido usada pela administração Trump, fazendo-se eco  das palavras de um ditador terrorista latino-americano, que foi finalmente condenado por graves atentados contra os direitos humanos e crimes contra a humanidade.

O presidente Trump acabou  por ser forçado pelos tribunais a substituir a separação de pais e filhos por uma política de detenção de famílias inteiras. Mas, infelizmente, os prazos legais para a detenção de menores levaram milhares de crianças a serem mantidas em tendas,  jaulas e até em antigas lojas do Wal-Mart administradas por uma mistura de agências governamentais e privadas. O caos continua a ser a marca de água do atual regime. O prefeito Bill De Blasio (New York City) afirmou que não tinha ideia de quantas crianças foram levadas (de  comboio, autocarro e avião) para abrigos da cidade administrados por instituições de caridade cristãs que simpatizam com o regime. Num momento de clareza moral, três companhias aéreas  recusaram-se a  realizar as viagens de crianças separadas acompanhadas por agentes federais dos EUA. A American Airlines assumiu uma posição especialmente forte.

A mídia progressista americana observou paralelismos entre o Holocausto e o que está a acontecer hoje com os refugiados políticos e migrantes traumatizados. Cartas para o New York Times de sobreviventes do Holocausto afetados pelos acontecimentos atuais  dão testemunho das  horríveis  semelhanças. Numa dessas cartas ao editor, uma criança sobrevivente do Holocausto partilhou a sua memória dos gritos quando foi colocada  num comboio para a Inglaterra para escapar dos nazis, argumentando que qualquer criança arrancada da família em qualquer circunstância certamente ficará traumatizada para a vida toda. Encontramos estranhos paralelos com a guerra suja da Argentina.

A tolerância zero baseia-se no confisco e na separação de crianças migrantes, enquanto os seus pais são detidos ou enviados de volta à América Central. Instituições de caridade privadas têm estado implicadas na adoção de crianças levadas por respeitáveis famílias cristãs brancas encarregadas de transformar “animais” imigrantes infantis em verdadeiros americanos. A atual guerra suja contra as crianças imigrantes não é uma história nova, mas parte da história da infância no sul dos EUA sob a escravidão e, até hoje, entre agricultores negros pobres cujos filhos lhes foram retirados ou reciclados através de lares adotivos. Há ainda outros paralelos na história dos nativos americanos que tiveram os seus filhos  arrancados às suas famílias e enviados para internatos do governo dos EUA, onde foram “socializados” à força, para se adaptarem à cultura anglo-saxónica e à América Branca.

A nossa história está recheada  de torturas ocultas e separações violentas de famílias que mais tarde foram descritas pelos sociólogos como “quebradas”. A tortura de hoje é a separação dos filhos de seus pais, muitos dos quais para sempre. Estamos a tornar-nos  cúmplices dessa catástrofe política e moral.

 

Notas

[1] Suárez-Orozco, Marcelo M., ed. Humanitarismo e Migração em Massa: Enfrentando a Crise Mundial. Univ da Califórnia Press, 2019.

[2] Dickerson, Caitlin. “Fronteira com 'Breaking Point' – como mais de 76.000 imigrantes não autorizados se cruzam  num mês.” The New York Times, 5 de março de 2019. https://www.nytimes.com/2019/03/05/us/border-crossing -increase.html.

[3] Jordan, Miriam e Caitlin Dickerson. “Os EUA continuam a separar as famílias migrantes, apesar da reversão da política”. The New York Times, 9 de março de 2019. https://www.nytimes.com/2019/03/09/us/migrant-family-separations-border.html.

[4] Ibid.

[5] CBS News. “Testes de DNA usados ​​para reunir pais e crianças sem documentos, diz o secretário do HHS”, 5 de julho de 2018. https://www.cbsnews.com/news/dna-testing-used-reunite-undocumented-parents-children-hhs-secretary -alex-azar-hoje-2018-07-05 /.

[6] Scheper-Hughes, Nancy e Carolyn F. Sargent, eds. “Pequenas guerras: A política cultural da infância”, Univ da Califórnia Press, 1998.

[7] Shivone, Gabe. “Morte como 'dissuasão': o deserto como uma arma”. Alliance for Global Justice. https://afgj.org/death-as-deterrence-the-desert-as-a-weapon.

[8] Warren, Robert. “A população não documentada dos EUA continuou a cair de 2016 a 2017, e os Vistos ultrapassassaram passagens ilegais significativamente ultrapassadas pelo sétimo ano consecutivo” […?]. Center for Migration Studies. https://cmsny.org/publications/essay-2017-undocumented-and-overstays/.

[9] Jordânia, Miriam. “Mais migrantes estão a atravessar a fronteira este ano. O que mudou? ”The New York Times, 5 de março de 2019. https://www.nytimes.com/2019/03/05/us/crossing-the-border-statistics.html.

[10] Suárez-Orozco, Marcelo M., ed. Humanitarismo e Migração em Massa: Enfrentando a Crise Mundial. Univ da Califórnia Press, 2019.

[11] Sachs, Jeffrey D. “Acabar com a Guerra da Escolha da América no Médio Oriente”. Horizontes. Centro de Relações Internacionais e Desenvolvimento Sustentável. Primavera de 2018 em questão. https://www.cirsd.org/en/horizons/horizons-spring-2018-issue-no-11/ending-americas-war-of-choice-in-the-middle-east.

[12] Noriega, David. “Os EUA estão a apoiar uma ditadura nas Honduras”. Vice News, 9 de fevereiro de 2018. https://news.vice.com/en_us/article/kzpabe/the-us-is-propping-up-a-dictatorship-in-honduras.

[13] Gearan, Anne “A primeira-dama Melania Trump visita um centro de detenção infantil no Texas, como um retrocesso da administração sobre políticas duras.”[…?] Washington Post. 21 de junho de 2018. https://www.washingtonpost.com/news/post-politics/wp/2018/06/21/first-lady-melania-trump-visits-a-texas-child-detention-center-as -Administração-backtracks-on-dura-política /.

* Marcelo Suárez-Orozco é um antropólogo psicológico. Lecionou em Harvard, NYU, UCLA, em Paris (EHESS), na Universidade de Barcelona e na Universidade Católica de Leuven. Teve bolsas do Instituto de Estudos Avançados (Princeton) e do Centro de Estudos Avançados (Stanford). Em janeiro de 2018, Sua Santidade o Papa Francisco nomeou a academia de Suárez-Orozco, a Pontifícia Academia de Ciências Sociais, a Santa Sé […?]. O seu livro mais recente, Humanitarianism and Mass Migration: Confronting the World Crisis, foi publicado no mês passado pela University of California Press.

Nancy Scheper-Hughes é professora Emérita de Antropologia Médica, UC Berkeley. É autora de etnografias premiadas, Death Without Weeping (Imprensa da UC), Santos, Eruditos e Esquizofrénicos (UC Press, 3ª edição), e vários volumes editados incluindo Commodifying Bodies (UK Sage) com Loic Wacquant, Violência na Guerra e Paz (Wiley-Blackwell) com Philippe Bourgois, e Violence at the Urban Margins (2015), Oxford University Press), com J. Auyero e P. Bourgois. Lecionou na Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, em Paris (EHESS), na Universidade da Cidade do Cabo (África do Sul), na Universidade de Utrecht, na Universidade de Salvador, na FLASCO (Argentina), na American University no Cairo e na Universidade Hebraica de Jerusalém entre outros. Recebeu o prémio John Simon Guggenheim, o Prémio Margaret Mead, a Medalha do Wellcome Trust do Reino Unido.

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.