Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Richard Ward

 

A barbaridade EUA/Israel: 2,4 milhões de pessoas arrancadas à sua terra, 50% da paisagem física destruída, prédios governamentais, casas, escolas, hospitais, demolição total de infraestruturas, esgotos a céu aberto, as doenças resultantes, milhares de pessoas vivendo em barracas, casas improvisadas, lonas plásticas, milhares de outras sem abrigo algum, fome forçada e bloqueio de bens essenciais, como combustível, remédios e água, um ambiente envenenado causado pelos resíduos de armas dos EUA / Israel e a queima de plásticos e outros materiais tóxicos por falta de combustível [...]

 

 

Sem título.jpg

Fotografia de Nathaniel St. Clair

 

 É como se fosse um arqueólogo cavando camadas do mal, descobrindo uma atrocidade particular, apenas para descobrir, escavando a terra, níveis mais profundos de depravação.

 

Gaza. Descobertas, desenterradas. Uma delas, as imagens de crianças magras, aponta para uma associação óbvia. Até o momento, há cerca de 35 mil mortes confirmadas, 40% crianças, milhares de corpos desaparecidos, enterrados sob os escombros. A contagem real poderia ser muito maior.

 

A barbaridade EUA/Israel: 2,4 milhões de pessoas arrancadas à sua terra, 50% da paisagem física destruída, prédios governamentais, casas, escolas, hospitais, demolição total de infraestruturas, esgotos a céu aberto, as doenças resultantes, milhares de pessoas vivendo em barracas, casas improvisadas, lonas plásticas, milhares de outras sem abrigo algum, fome forçada e bloqueio de bens essenciais, como combustível, remédios e água, um ambiente envenenado causado pelos resíduos de armas dos EUA / Israel e a queima de plásticos e outros materiais tóxicos por falta de combustível, tecnologia de armas de última geração testada numa população praticamente indefesa, para serem vendidas mais tarde  no comércio internacional de armas, o uso de IA para compilar listas de alvos, drones transmitindo sons de crianças a chorar que disparam sobre as pessoas quando elas se aventuram a investigar, pessoas desesperadamente famintas, abatidas enquanto faziam fila para comer, milhares de crianças sem membros, mais milhares de pais desaparecidos, cemitérios demolidos, a ruína de universidades, escolas, bibliotecas, museus, assassinatos direcionados de líderes culturais, professores, médicos, enfermeiros, pessoal médico, pacientes, descobertas de valas comuns, assassinatos de trabalhadores da ONU e cortes de fundos para a UNRWA, o racismo bem documentado do Estado e dos seus soldados, resoluções de cessar-fogo do Conselho de Segurança da ONU continuamente vetadas pela nação beneficiada, os danos psicológicos indescritíveis de toda uma população, o legado certo de ódio de sangue nas gerações vindouras e muito mais.

 

Os terríveis acontecimentos de 7 de outubro desencadearam uma selvajaria retaliatória por parte de Israel e do seu facilitador EUA tão desproporcional que parece surreal, desafiando a compreensão humana normal. O enunciado cabalístico, "Gaza", abriu a cortina, revelando a verdadeira psicopatia.

 

Num mundo pós-letrado, o  provérbio segundo o qual uma imagem vale mais que mil palavras  tornou-se  mais uma vítima do bombardeamento de saturação de imagens a que os seus cidadãos – internautas – são submetidos. O dilúvio e a acessibilidade da informação visual, especialmente da morte e da destruição, deixa-nos mudos e entorpecidos. As palavras, símbolos da emoção, falham-nos. A capacidade de a IA  manipular conteúdos adiciona outra dimensão sinistra. A "realidade", sempre um conceito

escorregadio, torna-se ainda mais esquivo e controverso.

 

Existem casos, no entanto, em função do grande volume e variedade de fontes, como no genocídio de Gaza, onde a inundação incessante de imagens cria um consenso geral. A realidade não admite dúvidas. No seu volume, acessibilidade e horror indescritível, as imagens de Gaza agridem a consciência coletiva. Persistirão, indelevelmente, para sempre.

 

A palavra "indizível" assume um certo tom no contexto atual. O dicionário aponta dois significados: um, algo incompletamente horrível; dois (a), algo que não pode ser dito por pressão social ou convenção, ou (b), dificuldade de enunciação, como em algumas palavras ou expressões estrangeiras. A maioria dos países ocidentais, principalmente a Alemanha, apoiou politicamente o massacre "indizível" de palestinianos por Israel. Obviamente, é o merecido fardo de culpa da sua "indizível" história nazi que explica (além do dinheiro das vendas militares) o apoio do governo alemão à máquina de morte sionista.

Sem títuloo.jpg

 CNN Brasil 

 

Admiravelmente, milhares de jovens alemães estão a demonstrar o seu apoio à Palestina, correndo o risco de serem presos e fisicamente ofendidos em resposta não apenas ao genocídio americano/israelita contra os palestinianos, mas em confronto com o passado sanguinário do seu próprio país. Para esses jovens, o "nunca mais" carrega um duplo significado e responsabilidade. Conscientes do horror da mudez, ou seja, da recusa em falar de verdades óbvias por causa da pressão social, ou retaliação da autoridade, esses jovens corajosos, na Alemanha e noutros lugares do Ocidente, especialmente agora nos campi dos EUA, estão a destruir as barreiras do que é considerado "indizível", combatendo a acusação de que as críticas a Israel são "antissemitas", denunciando  que essas críticas são obscenas, tal como o lixo egoísta que constituem. Insistem em manifestar com força a sua indignação contra os governantes, assim como com a indiferença de tantos.

 

Uma visão diferente da palavra "indizível" vem da nossa inarticulação metastizada, uma espécie de afasia cultural, resultado de uma mudança de época de uma cultura geralmente letrada para o seu oposto digital.

 

Se as palavras são, na base, os símbolos da emoção, elas também são as ferramentas de análise. Usamos palavras para decifrar e expressar o conjunto de sentimentos que, em última análise, determina o nosso comportamento. Das palavras vem o diálogo, do diálogo uma compreensão mais clara das causas e patologias subjacentes. Os corruptos e perversos – em geral, aqueles que nos governam – compreendem a eficácia dos novas media para nos manipular e tornar emocionalmente bloqueados, incoerentes e isolados. A mistura resultante da frustração, ansiedade e raiva é um benefício para as indústrias farmacêuticas/terapêuticas, o complexo prisional/industrial e os mestres corporativos/militares que governam uma cidadania tribalizada e ferozmente dividida. No nosso estado furioso e zumbificado, "indizível" assume um significado mais profundo e funcional. A incapacidade literal de articular os nossos sentimentos – de pensar – impede-nos de saber quem somos e onde estamos no mundo, e prejudica a nossa capacidade de criar as alianças necessárias para imaginar e implementar um caminho coerente a seguir.

 

Fonte: https://www.counterpunch.org/2024/05/01/unspeakable-archeology-of-horror/, publicado e acedido em 01.05.2024

 

Tradução de TAM

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.