Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Federação Sindical Mundial (FSM)

O princípio básico da FSM  é o internacionalismo proletário e a solidariedade internacionalista. Hoje, neste mesmo dia em que estamos a discutir, o exército israelita está a assassinar palestinianos.  O exército israelita invade a terra heróica da Palestina. Neste mesmo dia em que estamos a discutir, na Líbia, na Síria, na Venezuela, em Cuba e no Iraque, os imperialistas dos EUA, juntamente com os seus aliados, e a UE atacam e matam para roubar os recursos nacionais dos países, para definir novas esferas de influência e traçar novas fronteiras.

 

Sem Título (15).jpg

A FSM participa no 16º Congresso do NUM  com uma delegação composta por Emil Olsen, trabalhador da construção da Dinamarca e coordenador do Secretariado para a juventude da FSM, Lulamile Sotaka, membro do Conselho Presidencial e responsável pela organização regional da FSM na África do Sul, Anda Anastasaki, coordenador geral da presidência da FSM e George Bazionis, presidente da FSM.

Hoje, 22 de junho , Emil Olsen tomou a palavra e dirigiu-se aos delegados.   Abaixo, reproduz-se o seu discurso:

«Queridos camaradas, irmãos e irmãs.

Saudamos toda a direção do heróico NUM [1]. Permitam-nos saudar também o seu secretário-geral, David Sipunzi, que foi eleito vice-presidente e membro do conselho da presidência da FSM no 17.º Congresso da FSM.

Para nós, jovens sindicalistas filiados na organização de classe FSM, os discursos do camarada David Sipunzi no Zimbabué, Irão, Vietname e Cuba são lições de ideologia. Estudamos as suas intervenções e lemos as suas análises, que nos ajudam a tornarmo-nos melhores militantes contra o imperialismo e a barbárie  capitalista.

Camarada David Sipunzi,

Como coordenador do Comité da FSM para a juventude e como trabalhador da construção na Dinamarca, agradecemos-lhe o seu internacionalismo e a sua ação. Dirigentes como o camarada que gozam de prestígio e respeito no seu país, no continente africano, mas também na arena sindical internacional, são exemplos a serem seguidos por todos nós. Seja forte e vigoroso para os membros do NUM, forte para todos os africanos e internacionalistas, para todos os continentes! Permitam-nos também, caros amigos e colegas, sublinhar que as relações da FSM com a heróica COSATU [2] são profundas e sólidas. Vamos continuar a trabalhar juntos, com respeito mútuo e espírito fraternal, pela vitória final da classe operária, pelo socialismo, a paz internacional e a amizade entre os povos. É com a maior atenção e respeito pela gloriosa luta do povo africano que, em nome da FSM, que representa milhões de trabalhadores de todo o mundo, vos saudamos no vosso congresso. De Tóquio a Los Angeles e de Sidney a Copenhaga, a FSM  é a única organização sindical que está ao lado da classe operária.

Por  isso, é uma grande honra estar aqui convosco, como representante do Congresso Mundial da Juventude (WYC) [sigla inglesa] no vosso importante congresso.  Vós, os mineiros da África do Sul, sois objeto de grande respeito mundial pela vossa forte posição na honrosa história do vosso país. Camaradas, o ADN da FSM é pôr ombro a ombro os nossos irmãos e irmãs em todo o mundo. E isso acontece porque os nossos princípios de unidade, internacionalismo e democracia, a militância e a combatividade são absolutamente cruciais para o papel dos sindicatos nos nossos tempos. Apenas a discussão com os nossos irmãos e irmãs em todo o mundo pode tornar os nossos princípios ainda mais fortes e as nossas forças mais determinantes.

Nestes tempos, existe uma necessidade particularmente grande para nós, como classe, de nos aproximarmos uns dos outros. Mesmo que as nossas formas e condições de trabalho pareçam diferentes em vários aspetos, a exploração é maior e a tendência mundial é o declínio geral.  E, mais importante ainda, é o facto de não usufruirmos da riqueza que todos os dias criamos com as nossas mãos. Por isso, é importante que nós, a FSM, fortaleçamos os direitos dos jovens, das mulheres e dos imigrantes, especialmente porque estas camadas serão submetidas a duros testes na luta de classes de amanhã. A FSM tem feito bastantes esforços para fortalecer e coordenar as nossas lutas, desde o nosso congresso realizado aqui, na África do Sul. (O congresso da juventude em Roma, o congresso das Mulheres no Panamá).

Queridos camaradas, irmãos e irmãs do NUM,

A Federação Sindical Mundial, desde a sua fundação até agora, tem sido orientada e tem avançado com os seguintes princípios e valores:

- A unidade da classe operária;

- O internacionalismo e a solidariedade internacional;

- A luta pela democracia e o socialismo;

- Contra as guerras imperialistas;

- Contra a pilhagem de África pelas multinacionais.

Queridos camaradas,

Temos boas razões para estar otimistas de que, unidos na base de um movimento militante, poderemos todos viver num mundo melhor.

- Mas, quem são aqueles que enriquecem com os diamantes de África?

- Quem enriquece com o ouro africano? Com o café de África, o gás natural, os seus mares e as suas terras?

São as multinacionais, os monopólios e os capitalistas.

Por isso, só há uma solução. Temos de nos unir na base da reivindicação das riquezas que nos pertencem.

Unidade na luta – Unidade por uma vida melhor.

Unidade por melhores salários – por melhores pensões.

Por isso, a FSM, cujos sindicatos existem em todos os cantos do mundo, está ao vosso lado nesta unidade militante.

E gritamos bem alto convosco a todos os patrões e multinacionais:

- Satisfaçam as  reivindicações do NUM!

- Resolvam agora todos os problemas! Agora, não amanhã!

Queridos camaradas,

Para construir uma unidade militante de classe como esta, é necessário melhorar todos os dias o nosso nível ideológico e teórico. Temos uma potente arma nas nossa mãos: o marxismo, que é a teoria da classe operária mundial.

Precisamos do treino sindical para ensinar os trabalhadores a lutar e não a dobrar o joelho perante os capitalistas.

Precisamos do treino sindical para fortalecer a consciência de classe dos trabalhadores e não para os empurrar para o lamaçal do reformismo.

A FSM está disponível para dar esta ajuda ideológica ao NUM, através de seminários e workshops.

Já organizamos esta espécies de seminários com a NEHAWU [3] e a POPCRU [4] e estamos disponíveis para organizar um programa comum com o NUM.

Queridos  camaradas,

O princípio básico da FSM  é o internacionalismo proletário e a solidariedade internacionalista. Hoje, neste mesmo dia em que estamos a discutir, o exército israelita está a assassinar palestinianos.  O exército israelita invade a terra heróica da Palestina. Neste mesmo dia em que estamos a discutir, na Líbia, na Síria, na Venezuela, em Cuba e no Iraque, os imperialistas dos EUA, juntamente com os seus aliados, e a UE atacam e matam para roubar os recursos nacionais dos países, para definir novas esferas de influência e traçar novas fronteiras.

Temos de unir as nossas vozes com as de todos aqueles que resistem e exigem o fim imediato das intervenções imperialistas; para pôr fim às guerras imperialistas, para que os refugiados regressem às suas casas.

Daqui  queremos dizer ao povo de Cuba e da Palestina que não estão sozinhos. Todos estaremos a seu lado até à vitória final. Somos palestinianos. Somos todos cubanos.

Viva a solidariedade internacionalista!

Viva a classe operária mundial!

Irmãos e irmãs do NUM,

No final desta breve saudação, permitam-nos uma vez mais manifestar o respeito da FSM aos milhares de vítimas do apartheid. Manifestamos o nosso respeito com a heróica luta do Partido Comunista da África do Sul, inclinamo-nos perante o nosso inesquecível camarada vice-presidente da FSM, Moses Mabhida, que honrou o nosso longo caminho comum e as nossas duras lutas.

Estamos, assim, comprometidos perante cada um de vós dizendo:

Sempre estivemos e continuaremos a estar do vosso lado.

Viva o NUM!

Viva a FSM

Viva o internacionalismo!»

 

Notas

[1] NUM: Sigla inglesa de National Union of Mineworkers [Sindicato Nacional dos Mineiros] – NT

[2] COSATU: Sigla inglesa de Congress of South African Trade Unions [Congresso dos Sindicatos Sul-Africanos] – NT

[3] NHEAWU: Sigla inglesa de National Health Education & Allied Workers Union [Sindicato Nacional da Educação para a Saúde e Trabalhadores Aliados], filiado no COSATU – NT

[4] POPCRU: Sigla inglesa de Police and Prisons Civil Rights Union [Sindicato dos Polícias, dos Polícias de Trânsito e Guardas Prisionais], filiado no COSATU – NT  

Fonte: Publicado em 2018/06/22, em http://www.wftucentral.org/south-africa-the-wftu-representative-addressed-the-delegates-of-the-16th-num-national-congress/, acedido em 2018/06/23.

Tradução do inglês de TAM

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.