Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

… a reconciliação na Colômbia será possível se se “derrotarem os oligarcas de sempre, que impuseram a repressão da maioria para manterem os seus privilégios, mergulhando-nos numa guerra fratricida”.

 

Sem Título (51).jpg

04-09-19

Os ex-guerrilheiros das FARC que decidiram voltar à luta armada na Colômbia publicaram um novo vídeo, nesta quarta-feira, 4 de setembro, onde anunciaram que o seu grupo se denominará “Movimento Bolivariano pela Nova Colômbia”, relatou El Tiempo, de Bogotá.

No vídeo aparece o ex-líder das FARC, Iván Márquez, rodeado de outros ex-guerrilheiros, como el Paisa, Walter Mendoza e Jesús Santrich, referiu.

Ao ler uma proclamação, Márquez disse estar certo de que a reconciliação na Colômbia será possível se se “derrotarem os oligarcas de sempre, que impuseram a repressão da maioria para manterem os seus privilégios, mergulhando-nos numa guerra fratricida”.

Além disso, afirmou que o “Movimento Bolivariano pela Nova Colômbia” trabalhará pela paz e por um novo país.

O ex-líder guerrilheiro reafirmou que o governo traiu o acordo de paz e anunciou a criação de um novo movimento político clandestino que trabalhará “para erradicar a corrupção”, com ações como a de “revogar o mandato dos políticos responsáveis ​​pelo caos atual”.

O novo movimento político, disse Márquez, “terá um funcionamento clandestino”. “Não repetiremos a experiência da União Patriótica, onde a heroicidade dos seus membros e a generosidade que caracterizaram o seu compromisso foram brutalmente reprimidas até, praticamente, a fazer desaparecer”.

O ex-líder das FARC continuou, afirmando que os integrantes do novo movimento “terão uma atividade dentro do setor social em que vivem, trabalham ou estudam, sem que seja do conhecimento público a sua participação no movimento”.

E acrescentou: “Deverão esforçar-se para se colocarem na frente das lutas pelas reivindicações do povo e só compartilharão isso com os poucos companheiros que forem designados para trabalhar com eles”.

Márquez também convidou as pessoas “que se sintam bolivarianas”, civis e membros da Força Pública, a unirem-se a eles para “dar o salto para a luta política aberta, sempre e quando as condições o permitam”.

Fonte: https://www.aporrea.org/internacionales/n346411.html, publicado e acedido em 2019/09/04

Tradução do castelhano de MFO

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.