Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Discurso de D. Koutsoumpas (KKE), em Bruxelas

“Os partidos comunistas e operários da Europa contra o anticomunismo, a falsificação da História por parte da UE e dos seus governos, pelo reagrupamento do movimento operário como necessária condição prévia na luta pelo derrubamento da barbárie capitalista, pelo socialismo”.

 

Sem Título.jpg

2019/12/11

Estimados camaradas:

Desde que se expressou pela primeira vez na história a avaliação de que “o fantasma do comunismo percorre a Europa”, 171 anos se passaram, como é sabido. Esse mesmo “fantasma” é que também assombra hoje a grande maioria do Parlamento Europeu e a própria União Europeia, que transformou o anticomunismo na sua política oficial.

Então, há 171 anos, “todas as forças da velha Europa” se uniram … “numa santa cruzada para perseguir esse fantasma: o papa e o czar, Metternich e Guizot, os radicais franceses e os agentes alemães”. Hoje, e especificamente em meados de setembro passado, no Parlamento Europeu, os grupos políticos do Partido Popular, dos Social Democratas e dos Liberais, dos Verdes e dos Conservadores e reformistas uniram forças e aprovaram, com 535 votos a favor, 66 votos contra e 52 votos em branco, uma resolução anticomunista.

Hoje, quase dois séculos depois, as principais forças políticas da “velha Europa” uniram forças contra o “fantasma” da revolução social, da justiça social, da abolição da exploração do homem pelo homem, da nova sociedade socialista-comunista, que ainda os persegue. No passado, os autores do “Manifesto do Partido Comunista”, Karl Marx e Friedrich Engels, enfatizaram que “o comunismo já é reconhecido como uma força por todas as potências da Europa”. Hoje, o ataque anticomunista, através da vergonhosa resolução do Parlamento Europeu, revela que os ideais revolucionários do comunismo continuam a inspirar trabalhadores e forças populares na Europa, apesar das gravíssimas consequências causadas ao movimento comunista pela derrubada contrarrevolucionária na URSS, na Europa Central e Oriental, apesar do que foi escrito sobre o “fim de História” e das grandes dificuldades enfrentadas pelos partidos comunistas e operários em atividade na Europa.

Bem, aqui estamos nós, presentes! Para dizer a todas as forças da Europa “velha” e “envelhecida”, a todas as forças que defendem a sociedade capitalista velha e podre e que temem por suas próprias razões, que os “seus esforços são em vão”. “O rio não corre para trás”. “Se o gelo quebrou, o caminho se abriu”.

Caros camaradas:

Tenhamos em conta a magnitude do ataque anticomunista que vem se desenvolvendo há anos no âmbito europeu e em cada país europeu, e estamos cientes das difíceis condições em que os comunistas agem em vários países europeus, nos países bálticos, na Ucrânia, na Polônia, das prisões de militantes, dos julgamentos e do encarceramento de comunistas e outros combatentes. Aproveitamos a oportunidade para expressar a solidariedade do KKE (Partido Comunista da Grécia) para com todos os partidos e militantes comunistas que enfrentam esse tipo de perseguição.

Observamos que, por ocasião do 80.º aniversário do início da Segunda Guerra Mundial, a recente resolução anticomunista exige a tomada e generalização em toda a Europa de medidas anticomunistas mais duras, como a abolição de símbolos, monumentos e o aumento da repressão contra os partidos comunistas. O anticomunismo da União Europeia atinge o nível de delírio ao apresentar a União Soviética como um “aliado de Hitler” e corresponsável pelo início da guerra, tentando distorcer a realidade, ou seja, a Segunda Guerra Mundial, assim como a Primeira Guerra Mundial, foi o resultado da intensificação das contradições interimperialistas e da luta pela nova repartição do mundo, que se tornaram ainda mais agudas devido à existência da União Soviética, em combinação com a crise econômica capitalista mundial (1929-1933). A partir de certo ponto, os problemas da grande crise do capitalismo só poderiam ser resolvidos através de uma guerra entre os estados capitalistas.

Antes e depois da eclosão da Segunda Guerra Mundial, o objetivo de ambos os blocos imperialistas, os Estados capitalistas fascistas e não fascistas, era destruir o primeiro estado socialista dos trabalhadores, a URSS, que era um farol para todos os povos. As guerras imperialistas mundiais, bem como centenas de guerras locais, no interesse dos estados capitalistas mais fortes, foram monstruosos crimes imperialistas contra a humanidade, incluindo milhares de assassinatos em massa brutais, atrozes e sem precedentes. Esta é a verdade!

Os partidos comunistas e operários da Europa rejeitam a campanha difamatória dos chamados “dois extremos”. Enfatizamos a conexão orgânica entre o monstro do nazifascismo e o capitalismo monopolista. Note-se que não é surpreendente que o ataque anticomunista seja combinado com a tentativa de várias forças políticas burguesas para absolver o fascismo, tornar heróis aqueles que colaboraram com os nazistas nos países bálticos, na Ucrânia etc. Desta tentativa participam todos os países da UE que há anos votam contra a resolução que “condena a exaltação do nazismo”, que é apresentada todos os anos pela Rússia na Assembleia Geral da ONU. Há alguns anos, a UE não teve nenhum problema em apoiar forças reacionárias ou mesmo forças abertamente fascistas para alcançar seus objetivos geopolíticos, em conjunto com os EUA, a Ucrânia …

Gostaríamos de lembrar aos povos da Europa e do mundo inteiro que a Bandeira Vermelha, o símbolo do primeiro estado socialista, da URSS, que subiu triunfante no Reichstag, foi fincada pelo Exército Vermelho, que havia acabado de derrotar a maioria das tropas supostamente invencíveis do estado nazista alemão. O objetivo da União Europeia se refletiu na resolução anticomunista que pede a montagem de um novo “Nuremberg”, desta vez para o comunismo. Falou-se sobre uma “necessidade urgente de conscientização total, bem como avaliação moral e legal dos crimes do stalinismo e das ditaduras comunistas” … Isso não aponta apenas contra comunistas. Também aponta para a revisão dos resultados da Segunda Guerra Mundial, alcançados com o sangue do Exército Vermelho, da União Soviética, das lutas dos comunistas e de outros combatentes de todos os países europeus contra o fascismo, pela libertação nacional.

Por ocasião do 75.º aniversário da Vitória Antifascista dos Povos, prestamos homenagem às mulheres e homens que sacrificaram suas vidas ou ficaram incapacitados nos campos de batalha e na clandestinidade para derrotar o imperialismo fascista. Aos partidos comunistas de todo o mundo que desempenharam um papel de liderança nas lutas pela libertação nacional.

Por que se desenvolve tão profundamente agora esse ataque aos ideais comunistas, quando nossos adversários dizem de qualquer maneira que “terminaram” com o comunismo, que é um “caso perdido”. Estamos certos de que todos dizem isso porque sabem muito bem que, por mais que digam proclamar “o fim da luta de classes”, não conseguirão isso enquanto prevalecer a chamada “economia de mercado”. O capitalismo, o sistema que se baseia nos lucros derivados da exploração, cria, mantém e aprimora os problemas sofridos pelos povos e não pode satisfazer as necessidades populares contemporâneas. Faz parte da contradição básica entre capital e trabalho, que gera desemprego, pobreza e injustiça para a maioria e novas crises capitalistas, enquanto duros conflitos interimperialistas ocorrem e semeiam guerras, derramamento de sangue, milhões de refugiados e perseguição de imigrantes.

Pelo contrário, o socialismo no século XX resolveu grandes problemas dos trabalhadores: saúde, educação e moradia gratuita, eliminação do desemprego, garantia do direito à seguridade social, às pensões, o lazer, a cultura e os esportes. As conquistas sem precedentes da União Soviética e de outros países socialistas têm sido e continuam sendo um “farol” para as pessoas ao redor do mundo, verificando que “sim”, essa visão pode se tornar realidade. Pode-se construir uma sociedade diferente, que não seja baseada nos lucros capitalistas, uma sociedade da humanidade que garanta a “segurança do dia seguinte”, uma vida com dignidade e significado.

O objetivo dos capitalistas é usar “toneladas de lama” para desacreditar os esforços feitos na Europa no século passado para construir uma nova sociedade, uma sociedade socialista-comunista. Não só porque todas as burguesias se beneficiaram da derrubada contrarrevolucionária, mas também porque o aforismo da experiência socialista do século 20 procura convencer especialmente as gerações mais jovens de que não faz sentido questionar o sistema de exploração, suas contradições ou lutar pelo fim da barbárie. Neste planejamento, além de meios ideológicos e políticos, eles também usam meios judiciais, policiais e de repressão em muitos países da União Europeia. Essas medidas são combinadas com o fortalecimento de forças nacionalistas, racistas, de ultradireita e fascistas que levantam suas cabeças e são usadas como postos avançados que servem aos interesses da burguesia.

Camaradas:

Infelizmente, na campanha anticomunista, várias forças autodeterminadas como “de esquerda e progressistas” têm dado uma contribuição particular … Essas são as forças conhecidas do oportunismo na Europa que há anos, desde a época do chamado “Eurocomunismo”, se dedicam à calúnia antissoviética, especialmente ao período em que as bases da construção do socialismo na União Soviética foram lançadas nas décadas de 20 e 30, bem como o período que levou à luta anti-imperialista antifascista dos povos, antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

Ouvimos tantas coisas durante anos pela boca das forças que absolvem a UE de um ponto de vista supostamente de esquerda. Lembre-se que o Sr. Tsipras, chefe do SYRIZA e do único partido do Partido da Esquerda Europeia (PEE) que governou, assinou em maio passado, numa cúpula informal da UE em Sibiu, Romênia, uma declaração “monumento” ao anticomunismo, celebrando a derrubada e o desmantelamento do sistema socialista, afirmando que: “Trinta anos atrás, milhões de pessoas lutaram por sua liberdade e unidade e derrubaram a cortina de ferro!”. É a “esquerda europeia do PEE” que participa das festividades pela queda do muro de Berlim, em geral na tentativa sistemática de difundir entre os jovens a ideia de que o socialismo é um “regime sem liberdade e antidemocrático”, em contraste com o capitalismo, que é um “oásis de liberdade e democracia”.

No “moinho” da manipulação ideológica, as ideias de democracia e liberdade são lançadas para perder suas características históricas e, acima de tudo, classistas. Como se “democracia” fosse ou pudesse ser a mesma ao longo dos séculos, de Atenas ao sistema escravista, da Inglaterra do feudalismo ou da França da revolução burguesa que marcou a transição do feudalismo para o capitalismo, para o atual capitalismo monopolista, ou seja, a era do imperialismo, que também é a época da transição do capitalismo ao socialismo-comunismo. “Democracia” sempre foi algo diferente, mas sempre foi sujeita à questão indiscutível de estar a serviço do sistema dominante em cada período, ou seja, nas sociedades anteriores e hoje, a serviço do sistema de exploração, uma vez que apenas o socialismo-comunismo, como um poder realmente popular-operário, pode construir um tipo superior de democracia.

Isto, afinal, é o que pretendem esconder todos aqueles que reduzem os 70 anos de história da URSS a zero e, particularmente, o período em que sua base socialista foi concebida. Em todo o caso, eles apoiam as eleições políticas que identificam a democracia com o parlamentarismo burguês, liberdade com individualismo burguês e propriedade capitalista individual. O verdadeiro conteúdo da liberdade e da democracia no capitalismo é a coerção econômica da escravidão assalariada e a ditadura do capital na sociedade em geral e principalmente através dos negócios capitalistas.

Caros camaradas:

Surge a questão de saber se podemos e como bloquear o ataque anticomunista. O ataque à ideologia comunista e aos partidos comunistas em todo o mundo anda de mãos dadas com o ataque aos direitos sociais, democráticos e sindicais, às conquistas obtidas pela classe trabalhadora e pelas camadas populares com dificuldades, o que significa que a burguesia não deixará nem por um momento de pensar em métodos para atacar os partidos comunistas a fim de promover seus planos antipopulares.

É claro que os partidos comunistas podem e devem responder a isso. De acordo com a experiência do nosso partido, o grande trabalho realizado pelos membros e amigos do KKE e da KNE (Juventude Comunista) por meio de vários eventos e respectivas edições para iluminar jovens e trabalhadores contribui, em certa medida, na luta contra o anticomunismo.

Além disso, a defesa de um ponto de princípios da revolução e da construção socialista e, ao mesmo tempo, a avaliação crítica dos resultados, dos erros e das deficiências na economia, na superestrutura política, na estratégia do movimento comunista internacional, na investigação coletiva e no estudo dos erros que levaram à restauração do capitalismo são questões que temos tentado e em grande parte conseguimos estudar em nosso país. Eles reforçaram ideológica, teórica e politicamente nosso partido, todos os comunistas, trabalhadores e jovens que abraçam esse conhecimento coletivo.

O anticomunismo, o ressurgimento de forças nacionalistas, racistas e fascistas não podem ser confrontados de maneira consistente, estável e efetiva pelas supostas “frentes antifascistas” com forças burguesas ou oportunistas. O grande intelectual comunista Bertolt Brecht disse: “O fascismo só pode ser combatido como capitalismo em sua forma mais grosseira, insolente e opressiva, mais enganosa. Então, qual é a utilidade de dizer a verdade sobre o fascismo que se condena se não se diz nada contra o capitalismo que o origina?”.

O KKE considera que quem deve e pode deixar sua marca nos acontecimentos é o movimento operário de cada país, da Europa e do mundo em geral. As trabalhadoras e os trabalhadores entendem, sentem em sua carne que o ataque anticomunista vai ao mesmo tempo com o ataque aos seus direitos … É um ataque contra os direitos sociais, sindicais e democráticos conquistados na Europa nas décadas anteriores, por meio de lutas duras e muitas vezes sangrentas travadas pelo movimento operário sob a influência das conquistas sociais da URSS e outros países socialistas.

Hoje, os governos burgueses, de direita, socialdemocratas e pseudoesquerdistas (como o SYRIZA em nosso país até recentemente), bem como a ND que seguiu e encontrou “a estrada pavimentada” pelo governo anterior, reduzem e eliminam direitos dos trabalhadores e conquistas populares em nome da “competitividade” da economia, da lucratividade do capital. Porque os trabalhadores entendem que os comunistas são os que estão ao seu lado quando seus salários são cortados, quando são golpeados seus direitos à pensão e assistência médica e à saúde, o direito de seus filhos à educação, quando são demitidos, quando destroem e poluem o meio ambiente para beneficiar os interesses dos monopólios. Os trabalhadores podem perceber que o ataque contra os comunistas, para silenciar os partidos comunistas, enfraquecer os partidos comunistas, é um ataque contra eles e seus direitos e visa privá-los de seu apoio, sua oposição à onda de medidas antipopulares promovidas pela UE e pelos governos.

Os trabalhadores entendem que o KKE insiste na luta pela derrubada dessa injusta “classe social”, na luta pela construção de uma nova sociedade, sem a injustiça que estão sofrendo, sem desemprego, sem pobreza, sem obstáculos de classe na educação e nos serviços de saúde, sem guerras imperialistas. Apesar das dificuldades, o KKE acredita que hoje o movimento comunista também na Europa, superando as posições errôneas que prevaleciam no movimento comunista internacional nas décadas anteriores, combinando ação revolucionária com teoria revolucionária, construindo bases sólidas no meio da classe trabalhadora, em setores estratégicos da economia e fortalecendo sua intervenção no movimento operário-popular, pode não apenas interromper o ataque anticomunista, mas também lançar as bases para o reagrupamento do movimento operário e para a construção da aliança social, que em nossa opinião são uma condição necessária na luta pela “derrocada da barbárie capitalista, pelo socialismo”.

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Fonte: imediata, em português (variante do Brasil), https://pcb.org.br/portal2/24523/kke-encontro-comunista-europeu-em-bruxelas/, publicado em 2019/12/18 e acedido em 2019/12/22. – primária, https://inter.kke.gr/es/articles/DISCURSO-DE-D.KOUTSOUMPAS-EN-EL-ENCUENTRO-COMUNISTA-EUROPEO-EN-BRUSELAS/

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.