Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


DECLARAÇÃO DO GABINETE DE IMPRENSA DO COMITÉ CENTRAL DO KKE

 A solução está na luta contra as intervenções imperialistas e a exploração capitalista, pela real proteção dos direitos dos refugiados, pela concessão de asilo nos países do seu real destino, garantindo todos os seus direitos à habitação digna, trabalho, educação, bem-estar social e plena implementação da Convenção de Genebra e dos tratados internacionais sobre a proteção de refugiados.

 

Sem Título.jpg

Militantes do KKE e da KNE [Juventude Comunista Grega] colocaram 2 faixas gigantes na Acrópole na manhã de sábado de 31/10 para mostrar solidariedade com os refugiados. As faixas estavam escritas em grego e inglês, com a palavra de ordem “A UE e a NATO estão a transformar o Mediterrâneo num mar de mortos. Parem com este crime agora. Solidariedade e medidas de apoio imediato aos refugiados. ”

Os membros do KNE e do KKE  ergueram bandeiras vermelhas na Acrópole  durante várias horas, enquanto era lida uma declaração em inglês e grego  através de um megafone

 

SOBRE A DRAMÁTICA SITUAÇÃO DOS REFUGIADOS NAS FRONTEIRAS DA BIELORRÚSSIA COM OS PAÍSES DA UE

Os últimos acontecimentos, com milhares de refugiados e imigrantes presos nas fronteiras da Bielorrússia com países da UE (Polónia, Lituânia, Letónia), são mais um resultado das intervenções e guerras imperialistas lideradas pelos EUA, UE e NATO. É uma manifestação da exploração capitalista desumana enfrentada pelo povo e uma luta desesperada pela sobrevivência, obrigando milhões de pessoas a escolherem rotas de fuga cada vez mais perigosas e a cair nas mãos dos traficantes.

O colapso do acordo inaceitável entre a UE e a Bielorrússia sobre a expulsão de refugiados, na sequência da tentativa do imperialismo euro-atlântico de derrubar a atual liderança política da Bielorrússia, conduziu —entre outras coisas— à atual exploração da terrível questão dos refugiados e da imigração, no contexto dos jogos geopolíticos e das negociações entre a UE e as autoridades bielorrussas.

A solução para o problema não está na política de repressão brutal, repatriamento, deportações     e na construção de campos de refugiados, mais propriamente campos de prisioneiros, promovida pela UE, que além de não tocar nas causas do problema, é uma política que tortura milhares de pessoas. A solução está na luta contra as intervenções imperialistas e a exploração capitalista, pela real proteção dos direitos dos refugiados, pela concessão de asilo nos países do seu real destino, garantindo todos os seus direitos à habitação digna, trabalho, educação, bem-estar social e plena implementação da Convenção de Genebra e dos tratados internacionais sobre a proteção de refugiados.

O KKE expressa a sua solidariedade para com os refugiados e imigrantes e denuncia a instrumentalização desta grave questão por parte da UE, da NATO e dos governos burgueses. Exorta os povos da Polónia, da Bielorrússia e de outros povos da região a voltarem as costas ao nacionalismo e ao racismo, a reforçarem a solidariedade com o povo que é vítima das guerras imperialistas e da exploração.

Exigimos a retirada imediata de todas as forças armadas gregas dos exercícios da NATO e dos planos de intervenção euro-atlânticos na Bielorrússia, no contexto da concorrência e do cerco à Rússia. Não à participação nos planos da NATO! As bases militares da morte devem ser encerradas!   Saída das organizações imperialistas.

Atenas, 16/11/2021

O Gabinete de Imprensa do CC do KKE

 

Fonte: https://inter.kke.gr/en/articles/ON-THE-DRAMATIC-SITUATION-OF-THE-REFUGEES-AT-THE-BELARUS-BORDERS-WITH-EU-COUNTRIES/

Publicado e acedido em 16.11.2021

Tradução do inglês de TAM

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.