Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


MARGARET KIMBERLEY

Julian Assange é um dos prisioneiros políticos que os EUA afirmam não ter. O Reino Unido é novamente o bom vassalo, mantendo-o preso até que o governo Biden encontre um momento oportuno para despachá-lo para um tribunal canguru. Todo aquele que acredita na liberdade de imprensa e se opõe ao imperialismo deve ser um defensor convicto de Assange.

 

Sem Título.jpg

10 de dezembro é o Dia Internacional dos Direitos Humanos. É sempre um feriado fictício para os Estados Unidos, que aprisionam o seu próprio povo a taxas superiores às de todos os outros países e faz guerra rotineiramente contra o resto do mundo. Em 2021, a data foi tratada ainda mais como uma zombaria do que no passado. Joe Biden convocou uma cúpula bizarra sobre a democracia, na qual declarou outras nações boas ou más com base no facto de seguirem os ditames do império dos Estados Unidos. Embora tenha sido em Londres que os EUA se comportaram de maneira particularmente vergonhosa, trabalhando com o Reino Unido para garantir o direito de extraditar Julian Assange.

Em 2018, Assange foi indiciado no Tribunal Distrital Oriental da Virgínia, um tribunal onde as absolvições são raras. A sua ofensa é aquela que o sistema não tolera. Ao longo de alguns anos, a sua organização, o Wikileaks, revelou crimes norte-americanos cometidos em todo o mundo.

Assange entrou em conflito com quatro presidentes americanos diferentes, republicanos e democratas. O Wikileaks revelou crimes de guerra cometidos durante a administração de George W. Bush nos seus registos de guerra do Iraque e registos de guerra do Afeganistão. A recruta Chelsea Manning divulgou o vídeo do Assassinato Colateral, que mostra as mortes de civis, incluindo dois repórteres da Reuters, quando foram baleados por uma equipe de helicóptero do exército dos EUA, em 2007.

Assassinato colateral” foi lançado em 2010, quando Barack Obama era presidente. Todas as supostas diferenças entre democratas e republicanos desaparecem quando a hegemonia dos EUA precisa de proteção. O procurador-geral de Obama, Eric Holder, confirmou que Assange estava sob investigação. Embora o Departamento de Justiça tenha optado por não o indiciar, lançou as bases para que Donald Trump tornasse Assange um prisioneiro político. O uso sem precedentes da Lei de Espionagem por Obama enviou outros denunciantes para a prisão e deu a Trump licença para colocar as mãos em Assange. Como sempre, Joe Biden segue a política de Trump e continua a perseguição de Assange.

O governo Trump baseou-se no trabalho do Departamento de Justiça de Obama e, em 2018, indiciou-o de 17 crimes, com acusações que poderiam resultar numa sentença de 175 anos. É claro que não pararam com as acusações de crime, que eram inúteis enquanto o governo equatoriano desse refúgio a Assange na sua embaixada em Londres. O governo Trump afiançou um empréstimo de US $ 4 mil milhões do FMI ao Equador, precisamente um mês antes de as medidas de proteção a Assange terem sido suspensas. O momento da transação e da prisão não foi claramente uma coincidência.

Não é surpreendente que os presidentes persigam em todo o mundo aqueles que contem a verdade. O que é especialmente desanimador é a maneira como os jornalistas abandonaram Assange e se transformaram em porta-vozes do governo dos Estados Unidos  se discutissem o seu caso.

Os meios de comunicação como o New York Times, o Washington Post e o The Guardian trabalharam com Assange durante anos, publicando regularmente  revelações do Wikileaks. No entanto, pouco disseram em sua defesa desde que foi preso em 11 de abril de 2019.

Nem as elites liberais, que repetem a mentira de que Assange é o responsável pela derrota de Hillary Clinton em 2016. De acordo com propagandistas do Partido Democrata, operacionais russos hackearam os computadores do Comité Nacional Democrata e enviaram uma coleção de e-mails embaraçosos para o Wikileaks. Hillary Clinton até se refere à organização como “Wikileaks russo”, apenas no caso de alguém se esquecer de culpar os outros pelo seu desastre político.

Claro, o Wikileaks recebeu os documentos DNC da mesma forma que recebeu todos os outros. Um denunciante publicou o material e o resto é história. Exceto que a história não saiu como a maioria das pessoas previu. Hillary Clinton perdeu, em grande parte, por causa dos comportamentos corruptos que Assange revelou.

As revelações do DNC foram uma ameaça tão grande como os registos da guerra. Assange expôs como a campanha de Clinton amplificou Trump, na crença equivocada de que ele seria o republicano mais fácil de derrotar. Também provaram que o processo primário foi manipulado contra Bernie Sanders, que teria sido o melhor candidato. As revelações tiveram de ser reprimidas e a necessidade de transformar Assange num bode expiatório apenas se intensificou com o tempo. O  Russiagate foi o meio de difamação e tornou-ou persona non grata junto de pessoas que poderiam ter sido seus defensores.

O vídeo Collateral Murder mostra o assassinato de dois iraquianos que trabalhavam para a Reuters em Bagdad.  Poder-se-ia pensar que haveria alguma cortesia profissional por respeito  às suas memórias, mesmo que apenas por uma questão de aparência. Mas não é assim que a mídia corporativa opera. Ela trabalha em nome do Estado e esquece  convenientemente o seu relacionamento anterior com o Wikileaks e as mortes de seus colegas para que possam permanecer nas boas graças das pessoas que estão a processar Assange.

Em última análise, os Estados Unidos e o Reino Unido não poderiam ser maus atores se organizações de mídia poderosas se comportassem como entidades independentes e não como um braço do Estado. Assange não tem amigos influentes e está detido na prisão de Belmarsh, depois de ter sofrido um derrame em 27 de outubro de 2021. A sua saúde física e mental deteriora-se enquanto pessoas sem escrúpulos decidem seu destino em Londres e Washington.

O processo corrupto deve ser denunciado e todos os apoiantes de Assange devem manifestar-se. Os Estados Unidos não devem ter permissão para usar a Lei de Espionagem ou qualquer outro mecanismo para prender alguém, em qualquer lugar, e acusá-lo de um crime de legalidade duvidosa. Se forem autorizados a fazê-lo neste caso, certamente o farão novamente. Qualquer pessoa que quiser expor  crimes graves ver-se-á na posição de Assange. As pessoas que se opõem ao império e às suas maquinações correm risco se Assange for extraditado e for a julgamento no Tribunal Distrital Oriental. Ele é um prisioneiro político e outros também serão, se a acusação prosseguir. Não é exagero dizer que somos todos Julian Assange.

 

Margaret Kimberley é autora de Prejudential: Black America and the Presidents. O seu trabalho também pode ser encontrado em patreon.com/margaretkimberley  e no Twitter @freedomrideblog. A Sra. Kimberley pode ser contatada por e-mail em Margaret.Kimberley@BlackAgendaReport.com.

 

Fonte: https://mltoday.com/why-we-must-defend-julian-assange/, publicado e acedido em 21 de dezembro de 2021

 

Tradução do inglês de TAM

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.