Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Comunicado de imprensa

É necessário fortalecer a luta ideológica e política contra o anticomunismo, pelo reagrupamento e o contra-ataque do movimento operário

 

49202781333_6a86bf4371_z.jpg

2019/12/11

Foram muito importantes as contribuições, experiências e preocupações debatidas durante a Reunião Comunista Europeia, realizada em 9 de dezembro, em Bruxelas, com o tema: “Os Partidos Comunistas e Operários da Europa contra o anticomunismo, a falsificação da história pela UE e os seus governos, pelo reagrupamento do movimento operário como pré-condição necessária à luta pelo derrube da barbárie capitalista, pelo socialismo” , coorganizado pelo KKE e o seu deputado no Parlamento Europeu, Kostas Papadakis [1].

Participaram na reunião 33 delegações de 30 países: Áustria, Bélgica, Bulgária, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Dinamarca, Suíça, Grécia, Espanha, Itália, Croácia, Chipre, Letónia, Bielorrússia, Luxemburgo, Lituânia, Noruega, Holanda, Hungria, Ucrânia, Polónia, Portugal, Roménia, Rússia, Sérvia, Suécia, Turquia, República Checa e Finlândia.

O discurso de abertura foi proferido pelo Secretário-geral do CC do KKE, Dimitris Koutsoumpas.

Os delegados que intervieram tiveram a oportunidade de trocar experiências e informações sobre a intensificação do anticomunismo e da repressão por parte da UE e dos governos burgueses da Europa. No centro da atenção dos intervenientes esteve a necessidade de fortalecer a luta ideológica e política contra o anticomunismo, a falsificação da história, a repressão, a perseguição aos comunistas, a proibição de partidos comunistas, como condição necessária para elevar o nível de consciência da classe trabalhadora, pelo reagrupamento do movimento operário numa direção anticapitalista e antimonopolista.

Os delegados condenaram veementemente a recente resolução anticomunista do Parlamento Europeu, que procura equiparar o comunismo ao monstro do nazi-fascismo, falsificando a verdade histórica, e expressaram a sua inequívoca solidariedade com os Partidos Comunistas que enfrentam perseguições e proibições dos governos burgueses.  Enfatizaram particularmente que esse esforço do PE anda de mãos dadas com o branqueamento do fascismo e com o apoio da UE a forças reacionárias e abertamente fascistas, como na Ucrânia, para alcançar os seus objetivos imperialistas.

Durante a reunião foi destacada a enorme contribuição da URSS e dos movimentos de libertação nacional, liderados pelos Partidos Comunistas da Europa, no esmagamento do fascismo durante a Segunda Guerra Mundial. Também foi sublinhado que a luta antifascista deve atacar as causas do fascismo – o sistema capitalista apodrecido que o suporta.

Os delegados que usaram da palavra observaram que o anticomunismo contemporâneo não pretende apenas distorcer a memória histórica e desacreditar a construção socialista no século XX, mas tenta também convencer, principalmente as gerações mais jovens, de que não faz sentido questionar o sistema de exploração que gera as crises, a pobreza, as guerras e os refugiados e lutar pelo derrubamento da barbárie capitalista.

Durante a reunião, também foi sublinhado que o ataque e a repressão dos comunistas são precursores de uma intensificação mais geral da repressão contra o movimento operário-popular, marcando uma intensificação do ataque aos direitos sociais, democráticos, sindicais e às conquistas que foram alcançadas pela classe trabalhadora e outras camadas populares, através de duras lutas.

Os delegados saudaram as lutas que ocorrem em muitos países e os Partidos Comunistas que procuram estar na vanguarda do combate contra as medidas antipopulares, pela recuperação das grandes perdas de rendimentos dos trabalhadores, contra novas medidas antipopulares e a repressão policial dos Estados.

Salientou-se também que o reagrupamento e o contra-ataque do movimento operário da Europa pelos direitos sociais e democráticos dos trabalhadores, contra os planos dos monopólios e das organizações imperialistas da UE e da NATO, dará a resposta necessária ao ataque anticomunista, clarificará o modo de derrubar o sistema capitalista podre e a construção do socialismo-comunismo, onde o povo será o dono da riqueza que produz.

[1] O deputado do KKE não está integrado em qualquer agrupamento político do Parlamento Europeu.

Fonte: https://inter.kke.gr/en/articles/Press-Release/, publicado em 2019/12/11, acedido em 2019/12/13

Tradução do inglês de TAM

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.