Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Partido Comunista da Grã-Bretanha (PCG)

Os comunistas da Grã-Bretanha veem a saída da Grã-Bretanha da UE como uma oportunidade para desenvolver uma ampla luta internacional contra os grandes negócios e o domínio empresarial, seja exercido através da UE ou de outras organizações internacionais.

 

 

Capturar1236547.JPG

Ao deixar a UE, os comunistas da Grã-Bretanha enviam as suas saudações solidárias a todos os que lutam por justiça social e pela emancipação em qualquer parte da Europa e em todo o mundo.

Os comunistas da Grã-Bretanha veem a saída da Grã-Bretanha da UE como uma oportunidade para desenvolver uma ampla luta internacional contra os grandes negócios e o domínio empresarial, seja exercido através da UE ou de outras organizações internacionais.

Para nós, na Grã-Bretanha, perante um governo populista de direita, esta luta não será fácil. No entanto, também entendemos as origens de classe da oposição de massas à UE no nosso país. Em última análise, decorre da profunda raiva dos trabalhadores com a degradação económica sofrida em resultado da austeridade da UE e das medidas a favor dos grandes negócios. É esta luta contra a dominação corporativa empresarial que vamos continuar.

Agora lutamos para transformar os termos da saída da Grã-Bretanha no interesse dos trabalhadores.

Em particular, exigimos que, nas atuais negociações, os termos de qualquer acordo mantenham os direitos democráticos fundamentais dos nossos parlamentos e assembleias para controlar as condições da vida económica. Isto significa que as nossas instituições democráticas devem ter a liberdade de assegurar uma propriedade pública abrangente, fornecer auxílios estatais para prevenir o desemprego, usar contratos públicos para o bem comum e garantir que os trabalhadores fiquem livres das ameaças impostas aos seus direitos coletivos pelos negócios do “direito de estabelecimento” da UE.

Por isso hoje, 1 de fevereiro de 2020, saudamos todos os que, na UE, se batem numa batalha idêntica.

Saudamos os sindicalistas e comunistas da França, que estão a lutar para defender os direitos da segurança social e impedir que o Presidente Macron implemente o Programa de Reformas da UE.

Saudamos os comunistas de Portugal, que mobilizaram os trabalhadores para parar o programa de privatização imposto pela UE.

Saudamos os comunistas da Grécia, que lutaram contra sucessivas ondas de cortes nas pensões, nos serviços sociais e nos salários.

Saudamos os comunistas da Dinamarca, República Checa, Itália, Espanha, Bélgica, Holanda e Alemanha, que lutaram contra a erosão dos direitos coletivos laborais, a imposição, por parte da UE, da flexigurança salarial obrigatória e, na Dinamarca, a imposição do trabalho social.

Saudamos os comunistas da Polónia, Hungria, Estónia, Letónia e Lituânia, que enfrentam a prisão pela sua defesa do socialismo, sem qualquer intervenção da UE para proteger os seus direitos civis; UE que, pelo contrário, elaborou e promoveu uma resolução historicamente falsa e difamatória, que equipara o comunismo ao fascismo.

Saudamos os comunistas de Chipre, cujo território é ocupado pela Grã-Bretanha e pela Turquia e que estão a lutar para garantir uma unidade intercomunitária entre os trabalhadores, por um Chipre federal bicameral e bizonal e o fazem sob condições de austeridade impostas pela UE, por nós [Grã-Bretanha] e pelo jogo de poder israelita e turco.

Saudamos os trabalhadores do Mediterrâneo e da África, cujas economias foram enfraquecidas com os Tratados de Livre Comércio da UE e cujos jovens, que procuram uma nova vida em território europeu, morrem diariamente à vista da polícia de fronteira da “fortaleza da Europa”.

E, finalmente, saudamos os comunistas da Ucrânia, que enfrentam a prisão e a violência estatal num Estado associado da UE, cujo governo legítimo foi derrubado por um golpe sancionado pela UE.

Estamos determinados a que a nossa batalha contra a dominação dos grandes negócios na Grã-Bretanha, por mais limitada que seja, mesmo assim ajudará a luta contra o capitalismo monopolista e o imperialismo na Grã-Bretanha, na UE e em todo o mundo.

Fonte: Boletim Internacional do Partido Comunista da Grã-Bretanha (PCG), 1.ª parte da p. 1: https://www.communist-party.org.uk/images/pdfs/Unity_February_Internat_2020.pdf, acedido em 2020/02/03

Tradução do inglês de PAT

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temáticas:



Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.