Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eve Ottenberg *

Os governantes do império estão cegos pelo dogma da direita, do funcionamento de cima para baixo – por isso, a sua reação instintiva ao desastre é pôr dinheiro nas mãos dos ricos. 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rob Urie *

O mito de que os nazis eram uma revolta da classe trabalhadora organizada a partir de baixo é desmentido pelos laços estreitos da liderança nazi com os principais industriais na Alemanha e nos EUA  e, até, com a realeza britânica. Que os relatos ideológicos deixem como nota de rodapé, ou excluam inteiramente, o papel da Grande Depressão na criação das condições materiais em que a lógica do fascismo se firmou, sugere que eles são motivados por ignorância voluntária e/ou interesses económicos.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rob Urie*

Mas consideremos isto no contexto dos resgates atuais. Donald Trump, o Congresso e a Reserva Federal desejam a existência de biliões de dólares e decidem a que é que se destinam. Os já ricos e conectados – especuladores financeiros, executivos de empresas e outros oligarcas –, conseguem a maior parte. Isso dá-lhes o poder de comprar as coisas que os trabalhadores produzem. Os trabalhadores recebem o suficiente para não morrer de fome por um par de semanas e depois voltam ao trabalho e morrem na pandemia. E aqui está a piada: sempre foi assim. Pobreza e miséria são escolhas políticas.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eugénio Rosa

No período 2015/2018 (apenas 4 anos), o desinvestimento público atingiu 6.613 milhões €, o que causou uma profunda degradação dos equipamentos públicos, de que o SNS é apenas um exemplo. Mas foi também desta forma que Centeno reduziu o défice, não preparando o país para crises como aquelas que enfrentamos atualmente; mas António Costa e Centeno “brilharam” em Bruxelas.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jaime David Santiago Farías Delva

Sem medo, coloca-se a seguinte pergunta: É possível uma revolução no Chile ou é apenas um conceito usado para o cartel de pseudorrevolucionários?

Realizar mudanças reais requer mais do que apenas boas intenções. Pois os meses passam e o oficialismo, com a sua repressão, consolida o modelo de mercado livre, que manterá as coisas tal como as conhecemos.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lautaro Rivara *

Sustentamos que, desde julho do ano passado, o Haiti vive um estado de insurgência popular permanente que se prolonga em uma dinâmica de picos de mobilização massiva e períodos de estagnação. Conforme a crise se agrava, os períodos de trégua social são cada vez mais breves e instáveis e os picos de mobilização cada vez mais frequentes.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Partido Comunista dos Trabalhadores de Espanha (PCTE)

O direito à autodeterminação, como caminho para unir os povos no respeito e na igualdade, torna-se impossível de conquistar na Espanha capitalista. … É necessário escolher um caminho independente, o caminho da unidade de todos os trabalhadores, independentemente de qualquer sentimento de pertença nacional, para derrotar o capitalismo e construir uma pátria comum do trabalho sobre as ruínas da sociedade capitalista, com base no princípio da união voluntária dos nossos povos.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luís Fernandes [1] *

Parte do pensamento burguês já identificou que a radicalização da acumulação predominantemente financeira e os atuais rumos geopolíticos dos EUA agravarão o cenário de crise e potencializarão a base material para a ascensão da ultradireita.

 

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Partido Comunista do México (PCM)

A lei está pensada, em particular, contra os que resistem aos megaprojetos do governo federal –, principalmente, é uma ameaça contra os operários e trabalhadores sindicalizados e os povos indígenas do sudeste mexicano.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ivan Pinheiro * – Entrevista (2.ª parte)

 

[A entrevista é publicada em 2 partes. Hoje, publica-se a segunda]

Entrevista concedida por Ivan Pinheiro (membro do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro – PCB ) para o Portal PCB/SC [Partido Comunista Brasileiro/Comité Regional de Santa Catarina – NE], na qual ele analisa o cenário político internacional, o governo Bolsonaro e aponta os desafios colocados para a classe trabalhadora na construção de uma alternativa revolucionária.

Segundo Ivan: “Para reverter essa correlação de forças desfavorável e avançar na luta é necessário combater as ilusões em soluções institucionais, jogar toda a energia militante na conscientização, organização e mobilização dos trabalhadores e das camadas populares e promover, no campo da esquerda socialista, um urgente debate com o objetivo de unificar e politizar a luta comum”.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)


Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.