Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ney Nunes *

É justamente com essa “incapacidade de lembrar” que nos deparamos em alguns artigos e pronunciamentos recentes sobre os governos Lula e Dilma. Os autores, com seus esquecimentos seletivos, dão a entender que nesse período estávamos vivendo num quase paraíso, onde liberdade, justiça social e prosperidade imperavam. […] Não falam da repressão aos movimentos grevistas, dos assassinatos de lideranças rurais e da violência das operações policiais nas áreas mais pobres das grandes cidades.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

O 70.º aniversário do pacto germano-soviético deu origem a uma nova campanha revisionista, reescrevendo a história para atacar o comunismo. Sem originalidade, esta campanha recicla hoje os mesmos argumentos tão esgotados quanto errados. Bruno Guigue, numa tribuna, retoma o principal eixo desta campanha anticomunista, o mito dos gémeos totalitários, que não visa senão desculpar o fascismo para melhor acusar o comunismo, amalgamando Stáline e Hitler, Alemanha nazi e União Soviética, com o pretexto do pacto germano-soviético. Um pacto que nada tem a ver com qualquer forma de proximidade, mas é o “fruto amargo dos acordos de Munique”.

  • Ler nas edições Delga, O mito dos gémeos totalitários – Michael Parenti

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Annie Lacroix-Riz, professora emérita de História Contemporânea, Universidade Paris 7

Há, no entanto, uma escolha entre os historiadores franceses da URSS, quase igualmente sovietofóbicos e mediáticos: como há trinta anos, nenhuma carreira académica está aberta para um especialista da União Soviética sovietófilo, não existe nenhum.

 

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Annie Lacroix-Riz *

Mesmo tendo em conta a assustadora “lista de Orwell” –, rica em comentários antissemitas, antinegros e anti-homossexuais –, a realidade ainda é pior em relação a este antigo agente policial colonial (na Birmânia), tão violento quanto a sua função o exigia nos já muito avançados anos 1930, apesar de sua demissão oficial em 1927, na caça aos dissidentes vermelhos sob o disfarce de ódio ao stalinismo;…

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maurice Lemoine *

[Este artigo é publicado em 2 partes. Hoje, publica-se a segunda]

...em nome dos comandantes militares do antigo Estado-Maior Central das FARC, comandantes das frentes e das colunas, afetados pela traição do Acordo de Paz de Havana perpetrada pelo Estado, reiteramos, de uma forma autocrítica, que foi um grave erro ter entregado armas a um Estado trapaceiro, confiantes na boa fé do parceiro. Que ingenuidade não nos termos lembrado das sábias palavras de nosso comandante-em-chefe Manuel Marulanda Vélez, que nos advertiu que as armas eram a única garantia de cumprimento desses acordos.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maurice Lemoine *

[Este artigo é publicado em 2 partes. Hoje, publica-se a primeira]

… os dois homens [Macron e Duque], infelizmente, não tiveram tempo de evocar os 7 milhões de deslocados internos colombianos, nem os 462 dirigentes sociais, comunitários, indígenas, camponeses e defensores dos direitos humanos assassinados no país, de janeiro de 2016 a fevereiro de 2019 (incluindo 172 em 2018), a crer no Provedor de Justiça (Ombudsman) Carlos Negret, nem os 133 ex-guerrilheiros executados (assim como 34 membros da sua família), depois de haverem deposto as armas, confiantes na palavra do Estado.

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedro Marin - Revista Opera (Brasil)

A ideia de um “novo socialismo”, “democrático”, só pode surgir a partir da compreensão errônea de que o socialismo não é democrático em si. …a ditadura do capital é moldada precisamente para que, pelo respeito a suas premissas, não possa ser alterada.

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

As pedras de Tegucigalpa

Ivan Pinheiro *

[NE – No 10.º aniversário do golpe de Estado nas Honduras, publicamos este artigo porque é paradigmático da forma como funciona o imperialismo contra os povos da América Latina, onde Cuba e a Venezuela continuam a resistir e a exigir a nossa solidariedade.  As suas conclusões/lições são  fundamentais e completamente atuais para a luta dos povos, e não apenas na América Latina, contra o  imperialismo, pela libertação das suas garras saqueadoras e, sobretudo, para combater as ilusões quanto ao papel que se pensa poderem ter certos setores da burguesia na luta contra os monopólios, na época do imperialismo. As Honduras sofreram um golpe de Estado “comandado” pelos EUA, em 2009/06/28, que depôs e deportou o Presidente eleito, José Manuel Zelaya Rosales.]

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ivan Pinheiro *

 

A recente libertação de Jesus Santrich nos alegra, mas não desmobiliza nossa solidariedade!

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

Annie Lacroix-Riz

Realizada na noite de 29 para 30 de setembro de 1938 entre Hitler, ladeado por Mussolini, casamenteiro oficial, Chamberlain (Londres) e Daladier (Paris), a conferência foi o resultado do velho abandono francês da Checoslováquia e o momento-chave do «Apaziguamento» franco-inglês face ao imperialismo alemão abertamente belicoso.

 

 

Print Friendly and PDF

Autoria e outros dados (tags, etc)


Nota dos Editores

A publicação de qualquer documento neste sítio não implica a nossa total concordância com o seu conteúdo. Poderão mesmo ser publicados documentos com cujo conteúdo não concordamos, mas que julgamos conterem informação importante para a compreensão de determinados problemas.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.